Desvalorização dos novos roteiristas Nacionais

Tudo que se precisa é de investimento e desenvolverá-se-a excelentes projetos

Não é nada animador o inicio de carreira de um roteirista brasileiro, falta-lhes tudo, coleguismo, profissionalismo, companheirismo, investimentos em desenvolvimento de roteiro, agilidade no registro das obras via informatização, além da abertura democrática das negociações com as produtoras.

Um dos melhores símbolos nacionais sobre objetivo, obstáculo e conflito

Os cursos e oficinas certificados são disponibilizados de maneira democraticamente e economicamente acessíveis no mercado de formação, atingindo todas as classes econômicas através de todas as plataformas de ensino, e o mais importante, é o que há de mais completo na criação e apresentação de projetos, algo verdadeiramente com a intenção de desenvolver o setor.

No entanto, os estímulos a inserção dos novos roteiristas nacionais, são reduzidos ano a ano, onde podemos supor que pretendam, os investidores, manter o velha proposta de auto-produção amadora para portfólio, em que a qualidade das obras produzidas precisam ser constantemente questionadas, mas não são, a mídia especializada ignora.

Editais das secretarias e da agencia nacional, subsidiavam o desenvolvimento de projetos, decisão que dava uma nova visão positiva de ingresso na carreira. O novo roteirista tinha todas as ferramentas financeiras para elaboração de um excelente projeto, com potencial de comercialização desde TVs regionais até a grande indústria, Disney. Mas a proposta foi pausada, ao invés de ser expandida, já que o ínfimo estimulo de 400K para 10 propostas, um total de 40K por proposta, não é nada comparado ao estimulo as produções restritas a obras de roteiristas vinculados a grandes corporações, em torno de 500Mi.

AS ESTRATÉGIAS DE MERCADO E DE NEGOCIAÇÃO PODEM TRANSFORMAR TUDO

Atingir mercados consumidores como o asiático e o africano, pode fazer um novo giro na engrenagem de consumo, ingresso e produção. Porém tem que visar à transparência nas seleções e aprovações de projetos, já que os novos roteiristas cada dia mais adicionam novas competências as suas habilidades.

Nisso as produtoras podem contribuir melhorando o relacionamento virtual com o setor independente e autônomo de criação. Já há algumas que propuseram uma área de pitch online, com seletivas trimestrais, atitude que merece elogios e reconhecimentos, em vista que gera o aquecimento do mercado, ao se abrir para um bom relacionamento com as novas propostas.