O Haiti e o Mundo — e o Facebook

Haiti, 2011

Por favor!

Não esperem que o “Facebook e o mundo” se solidarizem com o Haiti. Há pelo menos 3 séculos o país é violentamente explorado por imperialistas. Em especial, a França e os Estados Unidos, todos os anos,

“fazem a limpa”, escravizam e assassinam haitianos.

O Haiti, no sec. XVIII, quando ainda colônia francesa, chegou a ser o mais rico do mundo (e hoje o mais pobre do continente americano) com um detalhe “bobo”: eram 500 mil escravos negros trabalhando mais de 16 horas por dia e toda a riqueza conquistada era aplicada na França.

Lá naqueles meados, para evitar uma revolução do povo, os franceses queridinhos estabeleceram uma espécie de constituição chamada de

“Código Negro”, que, nada mais e nada menos punia com a morte qualquer ESCRAVO DESOBEDIENTE.

Depois que o Haiti conquistou a tal da “independência” com muita luta-guerra e, a morte de pelo menos 200 mil haitianos, a França retornou com as suas frotas e potência máxima para cobrar 22 bilhões de dólares para reconhecer a independência do país — o que gerou uma dívida astronômica ao Haiti.

Como se não fosse o bastante… 5 anos depois (1888), o EUA fez a mesma coisa e mais e pior, cobrando impostos e controlando instituições governamentais, entre outras coisas, até 1986.

Haiti, 2016

Então, por favor, a natureza está longe de ser o maior infortúnio do Haiti, o silêncio (do mundo) é apenas a manutenção de uma estrutura desgraçada-capitalista, exploratória-racista-genocida de alta lucratividade.

Perfil Pessoal: Jota Marques
Página Oficial: Marginal

Like what you read? Give Jota Marques, Marginal a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.