Desabafo necessário

Eu não escrevo para você, querido leitor (isso se você realmente existir), escrevo para mim mesma, uma autoterapia necessária para eu não pirar (se é qur já não estou pirada).

Desculpa pai, desculpa mãe, desculpa professor, perdão Deus, sinto muito em decepciná-los. Vida acadêmica está uma bagunça e minha caminhada com Deus também não está das melhores, não me sinto capaz de manter os dois lados altos e me forço a escolher um para dar prioridade. Escolho minha vida espiritual é claro, Jesus tem que ser sempre o alvo e minhas ações devem ser para a Sua glória, tenho ciência disso, foi a minha escolha, foi a vida que eu decidi levar, ou melhor, é a minha escolha e é a vida que eu decido todo dia levar. Ou não. Eu gostaria muito que fosse, mas por razões de orgulho e satisfação própria, por muitas vezes acabo priorizando a escola, e quando me dou conta tento colocar a vida em seu devido rumo novamente e fica assim, nunca estando 100% bem em nenhuma das vertentes, não mais. Antes era fácil, escola e igreja eram simples e fáceis de conciliar, mas de repente aparece essa "amiga inseparável" e tudo fica uma bagunça. Eu juro que tento lutar contra, mas minha força tem estado bastante limitada. Essa amiga me levou o ânimo, a disposição, a vontade, a razão... A coisa que mais me frustra é lembrar que eu jamais pensei que algum dia eu estaria nesse estado. Ferrada psicologicamente, ferrada academicamente, ferrada socialmente, ferrada de todas as formas possíveis. Eu amava a minha vida, ela não era perfeita mas era perfeita para mim, nunca reclamava, muito pelo contrário, agradecia imensamente todos os dias pela chance de viver, de poder construir um futuro bom para mim e minha futura família, pela chance de honrar meu Senhor de todas as formas que me fossem possíveis. Mas hoje eu só decepciono. Mas o que mais me dói é sentir que eu ME decepciono e isso me impede de tentar me reerguer. Já não me vejo mais, eu não me reconheço ao pensar na pessoa na qual sou hoje. É um ciclo vicioso. Maldito dia em que decedi deixar para lá. Maldito seja o dia em que não dei a devida importância a uma desconhecida que estava apenas de passagem. Agora ela habita em mim, tornou-se amiga inseparável, e quanto mais eu falho em expulsá-la, menos tenho forças para isso, e mais ela me consome. Então desculpa. Desculpa por estar escrevendo, gastando o precioso tempo que eu poderia estar lendo a bíblia ou estudando para a semana de provas, mas eu preciso de uma válvula de escape, se não piora e eu sinto que vou estourar a qualquer momento, ou travar, ou ter mais uma maldita crise de ansiedade/pânico e travar.