Não tão perto quanto gostaríamos, mas sempre presente, é no teu aniversário que a gente comemora o quão boa e frutífera pode ser a vida de alguém. Apesar da saudade, sinto que o senhor anda com a gente sempre.

Homenagem do amigo Caio Matos à memória do aniversário de Dé Pedreira!

“Quem eu fui? 
Fui alegre, fui peão.
Fui vaqueiro, fui cidadão.
Fui viajante das estradas,
fui do meu imenso sertão.

Fui boi, fui boiada.
Fui rei sem uma espada.
Fui guerreiro de uma vida,
fui autor de uma cantiga.

Fui pai de uma filharada.
Fui padrinho da moçada.
Fui amigo para um povo,
fui um povo para o amigo.

Fui poeta, fui cantor.
Fui um homem sonhador.
Fui autor de uma história
fui a vida com amor.
Hoje, o que sou?

Sou tudo isso, meu senhor…
E mais o que virá!
Sou lembrança mil vidas,
que nem o tempo há de apagar.

Ao amigo W.S. Pedreira (Dé Pedreira)
Caio Souza Matos.”

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.