Rua, estação

Enquanto você estava na Paulista, 
Eu fiquei na Consolação; 
Na rua —
Não estação

Desci para minha Augusta 
Avulsa
Com uma mão no corrimão
E outra no coração

Pensando nas feridas perdidas 
Nas ruas antigas, 
Na mulher da minha vida 
Que poderia ter conhecido em alguma balada dessa via…

Passando pelas bebedeiras
Choradeiras na esquina
Que cada mulher em mim
Já experimentou

Andando pelas vielas, 
Belas, só elas
Nas curvas de mim
Que a música alta não me deixou ouvir

Enquanto você foi, 
Eu vim para cá
No que mais me acolheu:
A rua — não o coração.