O que a gente quer do outro

Todo mundo sabe o que procura em uma relação, mentiroso aquele que fala que não sabe o que quer, todo mundo sabe o que quer, mesmo que seja eliminando aquilo que não quer.

Meus amigos sempre me disseram coisas como “Você não namora porque você não quer”, mentira! Não namoro, pois tenho expectativas. É claro que com o tempo nós aprendemos que muitas dessas aspirações são conflituosas com aquilo que o mundo pode nos oferecer. Não dá pra esperar um pedido de namoro em um barco, quando se mora em São Paulo, ou imaginar uma viagem romântica para Paris quando o cara que a gente gosta é um freela.

A maioria das expectativas que temos são muito mais associadas às ambições sociais e financeiras que temos, do que quem esperamos amar.

Ao começar uma amizade dificilmente ligamos se a pessoa tem faculdade, ou se mora no Morumbi. A gente se importa muito mais com os princípios e indagações da pessoa. É muito mesquinho da nossa parte achar que para nós namorar o cara tem que ter tudo, quando, muitas vezes, nós mesmos não temos nada além de boa vontade e um beijo gostoso.

Precisamos aprender que aos nos relacionar teremos que aprender como lidar com fatores complexos, com manias e com imperfeições. Não dá pra cobrar do mundo aquilo que nós mesmos não oferecemos. Na minha perspectiva devemos sim procurar pessoas excepcionais para acordar e dormir ao nosso lado, mas devemos também procurar ser essa pessoa excepcional para alguém.

Não dá pra passar a vida esperando que tudo se ajeite, às vezes precisamos enfrentar nossas próprias falhas para aprender a amar verdadeiramente o outro.

Like what you read? Give Juliane Calixto a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.