Dia 16 ou o dia em choveu no deserto

Não choveu, choveeeeeu, foi mais para algumas gotas milagrosas. Mas, no deserto, isso é chuva. O dia amanheceu já meio nublado, o nublado aqui não é bem aquele cinza, é um céu não espetacular e sem sol. Comecei o dia na equipe da cozinha, arrumando o refeitório para o café da manhã, estávamos reunidos do lado de fora quando senti um pingo. Meu primeiro pensamento foi: um passarinho me batizou levemente; mas, felizmente, não foi isso. Obrigada, chuva.

Acordei hoje antes do meu despertador — o que realmente acontece com frequência, logo me acostumo ao horário, mesmo sendo 5h da matina — ocorre que hoje foi sem preguiça e bem humorada. Incrível como tive dois dias seguidos com sensações e humor tão diferentes. Deve ser minha lua em gêmeos, hehe. Lua em gêmeos, uma boa noite de descanso após uma boa conversa com o grupo de voluntários internacionais (editei o post anterior para acrescentar isso) e um trabalho que eu goste. Ou seja, vários fatores. Fato é que acordei com o pé direito hoje e é impressionante como isso afeta o dia, até para as coisas mais chatas, como a cozinha às 6h da manhã.

Peguei o turno de 13h30 às 19h no Café. Foi bem movimentado, nunca tive um dia tão movimentado, foi meu début de garçonete. É difícil ver a cozinha correndo e os clientes inquietos esperando a comida, é uma matemática que não fecha. Mesmo com a correria, estava feliz de estar trabalhando lá de novo. Só consegui parar para sentar, ir ao banheiro e respirar às 16h, antes disso, faltaram pernas e braços para tantas demandas. Tem sido muito bom ter essa experiência, é algo que com certeza não teria feito em Brasília, pelos valores agregados a isso, o que, sinceramente, é uma grande besteira.

É prazeroso servir clientes bem humorados e simpáticos. Mas o oposto também acontece. Em um dia movimentado, muitas louças a serem lavadas. Estou perdendo minhas digitais, sério. Secura, frio e água quente castigam a pele. Porém, uma salva de palmas à água quente, que faz ser bom lavar louça no frio, pois me aquece nesse inverno.

Antes de ontem faltou água quente na minha casa e tomei banho frio no inverno, não foi fácil, mas acho impraticável não tomar banho depois de tantas atividades durante o dia. Inclusive, sobre esse tópico, gostaria de agradecer publicamente aos índios pelos nossos hábitos de higiene, com certeza isso não veio dos europeus.

Hoje foi um dia que foi. Mais descansado, mais suave e menos reflexivo. Não que haja uma relação necessária entre eles. Mas foi um dia em que minha mente descansou, apesar do corpo ter trabalhado muito.

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Júlia Boianovsky Rios’s story.