O Pré-Renascimento na Itália

Jucyanne Moraes
Nov 15, 2018 · 5 min read

Produzido pro Jucyanne Moraes.


O Pré Renascimento surgiu em Florença na Itália. Também pode ser chamado de Quattrocento Italiano, que vai de 1400 a 1499. Foi um movimento de renovação artística e cultural que marcou a transição da idade média, com o fim do gótico para a idade moderna, onde vão surgir novos pontos de vista, novos pensamentos com referência no humanismo que tinha como objetivo definir o novo papel do homem no mundo. Esse período tem como característica a valorização do artista como pessoa, onde o mesmo era considerado apenas um artesão sem méritos próprios, e já na renascença o artista vai ser visto de forma diferente, como um gênio criador e suas obras serão comprovações da sua mente criadora. Surge então valorização da estética artística da antiguidade clássica, onde os artistas defendiam a ideia de que a arte na Grécia antiga tinha um valor estético e cultural muito maior que na idade média e nesse momento os artistas vão voltar a estudar o corpo humano baseado dos padrões clássicos, em seguida a arte tornar-se cultura comercial devido à grande concentração de riqueza dos banqueiros e comerciantes da época, que serão os maiores patrocinadores e incentivadores desse movimento.

Escultura

Na escultura renascentista temos uma diferença da gótica por deixar elementos ornamentais, buscando a recuperação da escultura clássica. O primeiro escultor a ser citado é Donatello, o maior escultor italiano antes do Michelangelo a produzir esculturas em mármore e madeira e também aprendeu a esculpir em bronze com Lorenzo Ghiberti.

São Jorge, Donatello.

O segundo artista é o Lorenzo Ghiberti, foi um dos mais importantes escultores que permaneceu em Florença depois da partida de Donatello, fez muito sucesso no concurso para as portas do batistério e foi designado a fazer outra obra, chamada “Os Portões do Paraíso” que contém 10 painéis, todos com temas religiosos e um desses painéis em relevo é A história de Jacó e Esaú, uma obra que transmite ideia de profundidade, ideia de perspectiva, que foi uma das inovações fundamentais que diferencia a arte na pré-renascença.

Os Portões do Praíso, Lorenzo Ghiberti.
A história de Jacó e Esaú, Lorenzo Ghiberti.

O terceiro artista é o Luca della Robbia, o único escultor importante de Florença com exceção do Lorenzo depois da partida do Donatello. Esse artista se dedicou à escultura em terracota, que era uma técnica mais barata e mais exigente que o mármore, onde o artista cobria as obras com uma espécie de esmalte para proteger das condições climáticas. O mesmo artista também realizou uma cantoria para a catedral de Florença com 10 painéis com temas religiosos que ficaram prontos em sete anos. Um desses painéis chama-se A Ressurreição, uma das melhores obras nessa técnica que tinha um revestimento que lembra o mármore, com um azul escuro ao fundo.

A Ressureição, Luca Della Robbia.

Arquitetura

Na arquitetura renascentista temos a figura de Brunelleschi, o qual fez a descoberta da perspectiva científica. Dez anos mais velho que Donatello, inicia sua carreira como escultor, viaja para Roma e lá estuda as arquiteturas antigas, e parece ter sido o primeiro a tomar medidas delas.

Catedral de Santa Maria del Fiore, Filippo Brunelleschi.
Catedral de Santa Maria del Fiore, Filippo Brunelleschi.

Pintura

A pintura pré-renascentista então só aparece nos primeiros anos da década de 1420, sua origem é absolutamente extraordinária e nesse período temos algumas personalidades, como a de Domenico Veneziano, por exemplo.

Em destaque, temos sua obra “Madona e o Menino com os Santos”, onde observamos o uso da perspectiva e arquitetura da época na qual apresenta três arcos ogivais, com colunas em forma de concha. Na obra, Madona está sentada no trono de mármore e em seu colo, o menino. Em um plano inferior ao trono, da esquerda pra direita, quatro santos: São Francisco, que está lendo e meditando; São João Batista que aponta para a virgem e seu menino, que em cujo rosto retratou-se o pintor; São Zenóbio abençoando e Santa Luzia, ofertando sua salva e palma do martírio. Podemos observar as cores delicadas da pintura e a luz que vem de cima de forma suave e plena entre os corpos esguios e vigorosos enquanto seus rostos aparecem de forma bastante expressiva como se nos convidasse a fazer parte da cena.

Madona e o menino com os Santos, Domenico Veneziano.

E por fim, temos Sandro Botticelli que, em 1970 adquiriu seu próprio ateliê quando se aproximou da família Médici, os grandes mecenas da região no qual encomendaram inúmeros trabalhos do pintor. Entre as obras encomendadas, temos a sua mais famosa: O nascimento de Vênus. A obra tem como descrição a história de Vênus, uma das deusas mais importantes da Antiguidade. Podemos observar a esquerda, Zéfiro, o vento do Oeste, a direita, uma das deusas das estações que oferece um manto cor de rosa e ao centro, a Vênus, esta que nasce sobre as espumas do mar de postura casta e esguia. Notamos que a obra se constitui plasticamente de pouca profundidade e ênfase nos contornos assim como a impressão que nos é passada de baixo-relevo, em vez das formas sólidas e tridimensionais.

O nascimento de Vênus, Sandro Botticelli.

Para finalizar, o Pré-Renascimento na Itália é marcado por uma época de grande investimento estético e artístico. A Itália torna-se berço desses novos artistas, que ligados a arte da antiguidade greco-romana, sofrem influência dos seus contemporâneos e do movimento religioso da época, surgindo assim um novo conceito de beleza, marcando o início da Idade Moderna.