Desabafo

Publicado originalmente em 29/01/2009

Faz SETE anos que escrevi isso… muito mudou, mas tantas dessas coisas ainda me deixam tão cansada… se não por mim mesma ou pela minha vida, mas pelo que vejo em volta =(

Tô cansada.

Tô cansada da chuvinha que não para. Tô cansada do calor no inverno e do frio no verão. Da chuva, vento, frio, calor e mil variações climáticas ao longo do dia, e às vezes, em poucas horas.

Tô cansada da torneira que pinga, do filtro que escorre, da janela que emperra, do chuveiro que não esquenta no inverno e aquece demais no verão. Dos “prestadores de serviços domésticos” que nunca aparecem e sempre te deixam na mão, ou fazem o serviço mal feito (devem estar todos milionários).

Tô cansada da hora e meia de trânsito pra vir, e mais hora e meia pra voltar. Isso se não chover e alagar. Tô cansada de andar de casa até o ponto e do ponto até em casa (e a piramba, não é moleza não). Tô cansada de trabalhar longe de casa e de morar longe do trabalho.

Tô cansada das pessoas mal educadas, que jogam lixo pelas janelas, que cospem ou assoam seus narizes no chão. Que falam alto demais, não usam fones de ouvidos e te empurram no busão. Ou andam mexendo em suas bolsas, com os cotovelos prontos pra te acertar o nariz ou o olho numa freada brusca. E também das pessoas que se “alojam” perto das portas de saída e atrapalham todo mundo.

Tô cansada da unha que quebra, do esmalte que descasca, do cabelo que não assenta. Do ácido retinoico em noites pares e da vitamina C em noites ímpares, e claro, do filtro solar todos os dias. Da depilação semanal, do hidratante após o banho, da esfoliação uma vez por mês. Da dieta milagrosa e do prepare seu corpo para o verão.

Tô cansada do churrasquinho grego (com suco grátis), do milho na brasa ou no copinho, da deliciosa bala de goma, da paçoquinha “uma é 0,25, duas é 0,50 e cinco na promoção, é 1 real”

Tô cansada dessa saudade, que sentou com sua bunda enorme no meu peito e dali não vai sair nunca mais, porque não, essas pessoas não vão voltar. E mesmo as que poderiam voltar não fazem questão, ou nem lembram mais.

Tô cansada dos amigos que somem, se perdem, ou só aparecem quando a coisa aperta, quando o problema é grande ou não tá dando pra aguentar. Sou um ótimo ombro, mas as vezes também preciso chorar, viu? Ou rir.

Tô cansada dessa cidade imensa, desses trabalhos loucos, dessa falta de tempo. Tô cansada de estar muito perto, mas sempre tão longe.

Tô cansada de promessas, tô cansada de expectativas, tô cansada de pensar positivo. Tô cansada também do bom e velho “o que é teu tá guardado”, mas que diabo de baú é esse, com tanto fundo falso, e com tanta chave e tranca, e que eu não sei onde está? (deve ser em algum profundíssimo mar desconhecido)

Tô cansada de convites sem data e hora, do telefone que nunca toca, mesmo quando se diz que vai ligar, do “vamos sair qualquer dia, é só combinar”.

Tô cansada de covardes que nem se arriscam tentar. Que logo vão tirando mil conclusões e nem sabem de nada. Que não se preocupam em te conhecer de verdade e nunca, nunca dão uma chance pro romance. Ou que se satisfazem com uma “brincadeirinha” virtual, nunca real, e se contentam com tão, tão pouco. Tô cansada do “você é maravilhosa, não mereço alguém como você”. Do “não sei como alguém como você está sozinha”. Do “problema é comigo e não com você”.

Tô cansada de nadar, nadar e continuar nadando e nunca chegar à praia alguma. Nem que seja só pra morrer na areia.

Tô cansada de ter que ser forte, de levantar a cabeça, de continuar caminhando, de tropeçar e levantar, de tirar as pedras do caminho, do “vai passar”, da “sua hora vai chegar”, de ser a que aguenta tudo, a pau pra toda obra.

Tô cansada da minha cabeça que não para de pensar, de confabular, de analisar, de inventar respostas magníficas, mas sempre tarde demais. De nunca chegar à nenhuma conclusão, de desistir, xingar, mas mesmo assim, aquilo fica ali, te sondando, assombrando.

Tô cansada das reprises dos seriados, dos filmes dublados, dos remakes de novelas bobas, dos comerciais intermináveis, dos canais pagos que não servem pra nada, dos programas que há anos são iguais, contam as mesmas piadas, mas nunca saem do ar.

Tô cansada também das mesmas velhas-novas notícias do último minuto, da informação em cima da hora, minuto a minuto. Das tecnologias que vieram resolver problemas que eu não tinha. Das milhares de novas coisas que eu não posso ter, nem conseguiria acompanhar.

Da nova promessa, da nova política econômica, do novo governo, do novo candidato e de isso tudo nunca ser novo coisa nenhuma.

Tô cansada do mais novo programa, do mais novo browser, do mais novo instant messenger, da internet mais rápida, do touch screen, da mais nova social media, hardware, software, cabo, entrada, pedra, tesoura, papel.

Tô cansada de tanta coisa, tanta, que já nem sei mais.

Tô cansada, tô cansada, tô cansada, tô cansada…

Tô cansada da vida, tô cansada de mim, e principalmente, tô cansada de ficar cansada.