Sobre ontem.

Pessoal, ontem foi um dia muito triste, um dia em que vi injustiças e inverdades e recebi muitas mensagens de amigos queridos e realmente interessados em ouvir, e saber o que estava acontecendo, antes de sair julgando. A todos vocês, obrigada.

Eu, como ouvinte e fã me apaixonei pelo Scicast desde o primeiro episódio que ouvi, me tornei "amiga" dos participantes. E quando os conheci pessoalmente e vislumbrei a possibilidade de fazer parte disso, me senti mais do que realizada.

Quando entrei, em Março deste ano, ouvi "alertas" sobre o Silmar, sobre o autoritário e intransigente, sobre o egoísta e centralizador de poder, e sobre a "esposa ciumenta" dele. Fiquei com receio de perder a magia que até então eu tinha e o fascínio por um projeto tão lindo e maravilhoso como este, de realmente tornar a ciência uma coisa divertida e interessante para um público tão carente deste tema no Brasil. Mas a verdade foi bem diferente do que me pintaram, quando fui conhecendo estes amigos, até então de mão única, a fundo.

A primeira coisa que o Silmar me disse foi que com a minha entrada e minha experiência em lidar com gente, pressão, cobranças e equipes grandes (fui coordenadora em estúdios de animação e publicidade antes da Prótons), ele queria conselhos e ajuda pra ser uma pessoa melhor, mais atenciosa e que realmente estava disposto a ouvir e mudar. Somos todos humanos, temos nossos momentos explosivos, mas este Silmar que me pintaram lá no começo quando entrei, nunca conheci. O que eu conheci foi um ser humano perfeccionista e apaixonado pelo que faz, e que quer sempre melhorar o projeto, tenta se renovar o tempo todo, e se atualizar com as novas demandas (agora temos os coordenadores de equipe, eu cuido da publicidade, e temos Instagram!!! XD).

Sobre a "esposa ciumenta", conheci uma mulher séria e sincera, mas abalada por N motivos pessoais, ataques e indiretas (que acho que não cabem em uma carta aberta, isso cabe à vida pessoal e familiar dos envolvidos). E sob a máscara da defesa e proteção, descobri a Fernanda, uma amiga que me é muito querida e que sei que posso contar para o que eu precisar. Ouvi os dois lados, e não concordo com julgamentos quando não se sabe o que realmente se passa.

Me decepcionei com as atitudes da Estrela. Se ela passou por coisas que não deveria, descobri que era apenas uma colheita de coisas que havia plantado lá atrás, antes da minha entrada, e que me eram desconhecidas até então.

Eu sou uma pessoa que gosta de resolver tudo diretamente, e o mais rápido possível, pra não gerar ruídos. Sei me posicionar e sei ser profissional. Não mando recados e não entendo a necessidade de tanta gente em ficar no mundo das indiretas. Se tem um problema com alguém, seja maduro e resolva na cara, não lave roupa suja em redes sociais e hashtags que magoam, abalam e não acrescentam em nada de bom na vida de outras pessoas. Se não tem nada de bom pra dizer, não diga. Como disse o André, 140 caracteres ajudam a pensar bem antes de postar coisas, são poucas letras, preciosas, e que devem ser lapidadas sempre para o crescimento das pessoas, não para a destruição.

Desculpem pelo desabafo enorme, mas odeio ver o SciCast sendo atacado e desacreditado por picuinhas. Eu sou mulher, tenho muita voz e participação, sou profissional, respeito e sou respeitada. Vejo a preocupação do Silmar em sempre trazer mulheres para participar, e tornar a equipe o mais igualitária possível, admiro o trabalho, e tenho certeza que sem o esforço dele e de todos os envolvidos não chegaríamos a lugar nenhum. Muita gente vai entrar, participar, sair, e vai deixar sua marca aqui, e ajudar a tornar o projeto mais e mais bonito.

O Scicast é um projeto maior que qualquer participante, espero ver um dia, a Maria à frente dele, engajando pessoas mais jovens que ela, e acendendo a chama do amor à ciência, como um dia foi acesa nela por todos nós, que trabalhamos MUITO pra trazer a divulgação científica para todos, de forma divertida, acessível e com uma equipe muito apaixonada e que acredita no que está fazendo.

Jujuba