SE AS COISAS FALASSEM

Hoje me peguei pensando como seria se todas as coisas pudessem entender o que eu falo quando não tem ninguém por perto. 
E, principalmente, se elas pudessem te contar tudo isso.

Se meu carro falasse, ele poderia te contar tudo o que passa pela minha cabeça depois que eu te deixo na sua casa. Todas as conversas que eu tenho comigo mesma e todos os momentos que imagino ao seu lado, sempre em voz alta.

Já o meu travesseiro te contaria sobre todas as fotos que eu vejo antes de dormir, lembrando com saudades dos momentos que passei com você.

Minha geladeira entregaria todas as mágoas que eu afoguei em comida, percebendo que talvez nosso sentimento não fosse o mesmo.

Minha cama, com certeza, sentiria sua falta, da mesma forma que eu sinto.

A porta de casa reclamaria toda vez que você passasse por ela, indo embora sem dizer se vai voltar.

Os copos, os quadros e os livros espalhados poderiam te contar um pouco sobre o quanto você é especial e importante pra mim. Não é de hoje que eu comemoro por todos os cantos os pequenos momentos ao seu lado.

O chuveiro do meu banheiro saberia te dizer como ninguém as músicas tristes que eu escuto como forma de consolo, toda vez que me pego pensando nessa história que não vai pra frente.

E se juntássemos tudo, se a casa toda pudesse falar, te chamar pra ouvir aquilo que eu mesma nunca tive coragem de colocar pra fora, você saberia que o que fica toda vez que você vai embora, é o vazio. Dentro e fora.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.