Passarinha ou canteiro de papoulas I

(prosa poética)

Voava. Suas largas asas ainda circundavam todo o terreiro da infância. E que ventarosas asas tinha. Planavam calmas sob seu céu e, como num arrepio, tornavam a bater brincantes entre as folhas de seu pomar — que começava a amadurecer frutos primaveris. Um haikai solto no barulho do vento, nas águas jorradas da fonte raiando os fios do sol. Era ela inteira uma flor selvagem. Semente úmida, descamando os sonhos no seio da terra, germinado os segredos numa vaga fluidez: genuinamente humana. Voava. Espirando as palavras certas de mais para serem vivas, inspirando o silêncio dos morros pastoris, equilibrando e subindo em espiral seus caminhos sinuosos. Pulsava. Dentro dela ritmava com cuidado o eterno giro das coisas. Sentindo pela brisa o movimento corrente da vida. E voava em círculos… Seu espírito, como um alazão arredio, dominava os campos e trotava variando sempre o ritmo e a direção dos seus desejos. Queria beijar a noite, dançar com o tempo, amar com as chuvas e deitar seu cansaço curioso nos braços do mundo. Toda a sua feitura, todo o seu contorno possuía cores intensas. Um universo inteiro equilibrando-se entre a inocência e a loucura. Doce gosto sentia na boca quando provava nos frutos o erro; quando sentia na pele o sopro misterioso de ser antes mesmo de saber-se. Voava sobre si mesma entoando sozinha a sinfonia emudecida que compunha a partir das dúvidas. E fazia dessa mudez um regalo: a perfeição perdida. Mesmo sem saber, percebia que tudo era início e que para si havia apenas um destino: o das aves e dos rios. Então voava. Batendo suas asas. E ia. Descortinando os mistérios do chão já semeado, abrindo com os dedos os lares fechados, povoando os ninhos e as varandas de afeto. Voando, ia. Dançando cigana a meninice de seus olhos, mentindo o firmamento dos céus e das lendas, tecendo e destecendo com destreza os seus próprios véus. Voava, para si e para os outros, as suas próprias lonjuras, sentindo o frio tocar-lhe o ventre e as lagrimas inundarem o rosto, mas ia. Passando, vivendo, tocando o avesso dos dias, ia. Por baixos-relevos plainava, arriscando suas certezas com uma doçura pagã. Voava e apenas voava. Querendo do Nada o Todo e do Todo apenas o gosto das coisas. Voava, leve e alada os sonhos, as noites e o medo. As sombras, as luzes e os jardins. Os nomes, as vidas e as casas. Era ela inteira o vôo e com dedos de menina, com olhos de menina, movendo para os céus os seus dias de cera e os seus canteiros de papoulas…