No dia do orgulho LGBT eu grito meu orgulho de ser B.

Engraçado pensar nisso hoje, parando para refletir tudo que já rolou na minha vida.

Minha família não é exatamente a mais aberta, mas em compensação sempre fui cercada de amigos muito,mas muito tranquilos com a minha sexualidade. E acreditem, a gente já fica com um turbilhão de pensamentos e julgamentos, se não houver nenhuma rede de apoio, o processo todo fica MUITO MAS MUITO MAIS complicado.

Demorei um tempo considerável para entender o que eu era. Engraçado, as pessoas reclamam muito de rótulos,mas as vezes esquecem que o rótulo pode trazer um sentimento de pertencimento enquanto a falta dele pode lhe deixar em um “nao lugar” muito incômodo.

Meus primeiros crushs foram meninas,meu primeiro beijo foi em uma menina, sempre achei mulheres muito mais interessantes, belas e encantadoras que homens e isso sempre foi tão natural para mim que somente quando comecei a ter a percepção social de que eu deveria achar os meninos interessantes é que eu de fato comecei a olhar para eles, rs.

(Traduçao: Nao consigo controlar a vibe gay) EU NA ESCOLA

Lembro muito bem a primeira vez que me apaixonei, foi pela minha melhor amiga na época. Foi uma coisa muito doida, eu nao tinha com quem falar sobre, eu ficava numa confusão bizarra de sentimentos nao sabendo se eu tava confundindo amizade com paixonite e nao foi um período fácil. Era muito ruim, sentir algo forte que eu achava de certa forma bonito mas saber que seria muito errado falar para alguém sobre isso

Tive a enorme sorte de quando criei coragem para falar para ela, ela foi extremamente gentil e doce comigo. Nao me afastou, não me olhou esquisito, nao foi escrota. Nao havia reciprocidade no sentimento mas houve um apoio absurdo pelo qual ate hoje sou agradecida e somos amigas ate hoje diga-se de passagem rs.

Algumas pessoas na época olharam torto sim, mas no meu circulo de amizades próximo, era só apoio.

Cresci e os homens começaram a parecer bonitos, bem bonitos e assim passaram a me interessar bastante. Nesse momento a cabeça deu tela azul. Eu jurava que tinha entendido que gostava de mulheres e tava tudo bem (mais ou menos né rs) já tinha pensando em como falar com meus pais sobre isso, como conversar com as amigas, já tinha começado a vislumbrar eu de casalzinho com uma mina linda futuramente…..mas agora os caras também me interessavam e não tinha nada nas séries, nos filmes,nas novelas,na fucking vida me mostrando que essa era uma possibilidade. Que gostar de homens e mulheres era nao somente possível como algo muito real e que muita gente sentia a mesma coisa. E isso é uma merda, pois você começa a se achar louca, começa a se achar maníaca sexual que quer pegar um monte de gente, nao se ve nas rodinhas da galera gay e nao sabe explicar o que diabos está passando na sua mente. Quando na verdade basicamente é:

(traduçao: Eu gosto de garotas gatas e caras gatos) #MIMDEIXA

Tive um primeiro namorado que tinha ojeriza à minha sexualidade. Essa história de que homem adora mulher bissexual é tudo balela, homem hetero curte a objetificação da bissexualidade na esperança de ter menage PONTO. No mais, a maioria se sente inseguro e acaba reprimindo a sexualidade das parceiras quando estas conversam sobre isso ou quando as mesmas se recusam a fazer menage. Um lembrete básico aqui: NEM TODO BISSEXUAL CURTE MENAGE!Parem de hiperssexualizar a nossa existência, que saco!

Hoje estou com 30 anos e muito bem resolvida quanto a isso, mas levou tempo, choro, coração partido, coragem e um pouco de informação também. Sendo assim valem alguns pontos:

  • Bissexuais NÃO são indecisos:

Nao deveria ser difícil de entender mas para muita gente ainda é. Renato Russo já disse minha gente , eu gosto de meninos e meninas. PONTO. Você não precisa racionalizar, precisa apenas aceitar. Sexualidade é um grande espectro, no qual somente a pessoa tem que se encontrar e nao voce que dita como e por quem as pessoas devem se sentir atraídas sexual e/ou emocionalmente.

  • Invisibilidade bissexual existe e machuca:
(Traduçao: Eu deveria usar minha invisibilidade para lutar contra o crime ou para o mal?) EU NOS ROLES

Em uma sociedade que rotula absolutamente TUDO, tentar se achar, se encontrar, se sentir pertencendo acaba sendo quase questão de sobrevivência em alguns casos
A monossexualidade é compreendida como regra então qualquer coisa que saia dessa noção é vista com desconfiança e incredulidade. Então nós mesmos acabamos nos questionando e isso traz enormes problemas para auto aceitação.

Constantemente temos que “provar” ou reafirmar nossa sexualidade. Se eu fico com mulheres heteros dizem que sou lesbica e nao saio do armário, se fico com homens as lésbicas dizem que se eu fosse bi mesmo eu estaria com mulher. E ninguém aceita que basicamente eu gosto de pessoas e nao preciso de carteirinha carimbada por ninguém para isso ser validado.

Pois quando todo mundo a sua volta diz que voce nao existe voce de fato começa a pensar se nao é só uma fase.

  • O B em LGBT é ignorado.
(Traduçao: pedido lésbico negado!) O que ouço quando me interesso por alguma mulher lesbica

A comunidade LGBT é basicamente um G gigante, um L que sofre com o machismo do G, um B que é rechaçado pelo G e pelo L e um T que morre mais que todos os outros no Brasil e nao é aceito pela própria comunidade.

O preconceito contra bissexuais existe e é muito cruel.

Cruel com as mulheres pois lésbicas nao se relacionam conosco por falarem absurdos tais como :mulher bi é incubadora de doenças, mulher bi é suja pois transa com homens, mulher bi vai me largar por macho

Cruel com homens pois tem que escutar que: afff nao quer se assumir, nao vou namorar um cara que ja deu para outro cara….

Imagina você ja ter que lidar com o turbilhão de emoções e ainda escutar isso dentro da comunidade?

  • Nao existe representação nossa na mídia

Ou os personagens “se descobrem” gays ou só tem uma experiência homo pós uns drinks ou rola um menage pois para a mídia bissexuais só servem para isso.Representatividade importa, se ver retratado importa.

(Tradução: Então, sou bissexual. E daì? é algo, e é real. Quer dizer, chamamos de LGBT por uma razão. Tem um B ali, nao quer dizer badass. Ok, na verdade sim, mas também significa bi) Callie eu te amo ❤

Esse texto é uma tentativa de ser didático para quem precisa.

Esse texto é para deixar registrado em linhas a minha vivencia

Esse texto é para mostrar que eu existo e minha sexualidade também.

Julia, bissexual e orgulhosa ❤

(Tradução: Ambos. Ambos é otimo)
Like what you read? Give Julia Maciel a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.