Viagem intemporal

M.C. Escher — Metamorphosis I

Imagino que em algum lugar no espaço-tempo o futuro já existe. “Daqui a cem anos” acontece num ponto do universo que desconhecemos. Lá pulsam todas as utopias, fugitivas das crianças, poetas, livros e revoluções. Tenho saudades de um país que ainda não existe no mapa. Ele me extrai durante as noites, enquanto sonho. Meu ser vindouro, lá e cá, pede calma. O futuro é também aqui e agora, me diz. Mantenho o desassossego como ponte para transpor o tempo. Meus pés em Terra bamba. Atravessemos.

Like what you read? Give Juliana C. a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.