Sobre a generosidade de permitir a generosidade do outro

Estar sempre pronto a fazer, ter todas as respostas na ponta da língua, planejar todos os próximos passos super coordenados para que tudo aconteça como se deseja afasta a possibilidade do outro atuar

Rapta a generosidade do outro

Enfraquece a sabedoria dos imprevistos

Apaga a magia do não saber

Exclui da vida os tempos de fora

E ao longo da jornada condiciona e aprisiona os tempos de dentro

Reduz o tempo apenas à condição das horas

Dissocia o Tempo da Natureza

Ignora o tempo como percurso de Existência

O “deixa comigo”, o “não precisa, eu consigo”, o “pode deixar que eu faço” negam ao outro o prazer da Generosidade

Interrompem o fluxo do dar e receber e enfraquecem seu magnetismo

Nos fazem sucumbir ao tempo do Eu

A generosidade em um é apenas a generosidade do ego

É o dar pelos aplausos do outro

É permitir-se evoluir mas ainda sem a consciência Una

Estar em paz para permitir a generosidade do outro é sacramentar a sincronicidade entre o tempo de fora e o tempo de dentro

É ser tempo e espaço fluidificado no tempo e espaço do Universo

É sermos todos Um

Permita-se!