Highlighted by Juliana Gemelli

See more

Se é um padrão dentro dos seus relacionamentos a presença de homens desse tipo, eu te convido a se reapropriar da sua energia sexual, não somente no sentido de recolhê-la e externá-la em contextos de maior confiança, mas também no sentido de compreender que energia sexual é energia criadora, pois pode gerar uma vida. E que para sair dessa condição de panela de pressão em que o sistema nos coloca, talvez seja importante explorar novos empregos dessa energia. Externamos energia sexual quando nos colocamos criativamente em nossos interesses, quando somos inventoras da nossa realidade, quando damos gás aos sonhos que nos fazem caminhar para uma experiência real de autonomia em todos os campos da vida. Eu te aconselho a fuçar, com a ajuda de ferramentas de autoconhecimento (sobretudo terapia e, por motivos óbvios, de preferência com uma profissional do sexo feminino), onde estão essas referências masculinas dominadoras na formação da sua afetividade, para que você compreenda os mecanismos dessa cultura na vivência dos seus sentimentos, e deixe de ser refém deles. Temos muita coisa por viver e talvez nos defendamos desse vasto horizonte de possibilidades querendo nos prender a alguém que, em vez de nos encaminhar para o nosso melhor lado, fortalecendo a nossa evolução, prefere nos vampirizar, extraindo de nossas individualidades a substância da sua autoafirmação. Não é possível construir algo com quem nos objetifica e despreza tanta coisa que temos a dividir.