A última memória triste de setembro

Quando terminamos, passei dois meses ouvindo as músicas mais tristes do Jake Bugg. Eu havia terminado com você. E quando se diz isso, o universo age como se fosse sua obrigação ficar bem. Por isso, desde aquela terça-feira eu digo ao mundo que você se foi. Desde então, ganhei um pouco mais de tempo. E continuo esperando. Como quem espera o efeito de um analgésico.
Mentir a mim mesma de certa forma não parecia-me incorreto. Afinal, correto a partir daquele momento era fazer com que desconectasse minha alma da sua a qualquer custo. Não poderia deitar-me sobre a cama e repetir que fracassei comigo mesma. Não era hora para discutir a minha interminável mania de me culpar por tudo. Era hora de fazer o que tinha de ser feito.
Tratei de deixar aquilo doer da mais impulsiva forma possível. Ainda digo que você se foi.
Escrevo uma história mais empolgante e conto-me todas as noites antes de dormir. Assim, posso dar por encerrado tudo o que aconteceu, ao invés de simplesmente assumir que eu deveria ter agido antes. Desta forma, não há mais nada a ser feito. É só esperar. Como quem ingere mais um analgésico sem esperar o anterior fazer efeito.
No início, não era nada decidido. Era apenas uma espécie de armadilhas. Uma das milhares que criei. Afinal, você era como um intruso, uma letra sem melodia e desprovida de qualquer sentido. Hoje, percebi que isso se tornou rotina. Uma teoria que acomodou-se aos meus pensamentos de tal forma como alguém que se entope de analgésicos caí no sono rapidamente. Fazem 16 meses que você se foi.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.