Fantasmas

Quando nos conhecemos, gostei de você logo de primeira. O que me fez retomar certa confiança sobre mim mesmo. No início, foi mágico. A ansiedade até fez bons planos, queria que eu impressionasse. E eu, impressionei. 
Nós tivemos aquele tipo de ligação que faz meu coração palpitar e minha pernas serem capazes de percorrer enormes quarteirões apenas para não te perder. Só faziam duas semanas.
Mais alguns dias se passaram e eu jurei que toda angústia que sentia tinha ido embora. Afinal, ela sempre teve medo de afeto e essas coisas. A sensação de estabilidade era como um sonho do qual eu jamais queria acordar.
Mas há em mim uma mania de achar que os fantasmas sempre estão por perto, que isso tudo era um teatro criado pelos renomados roteiristas que abrigam toda a minha fragilidade. 
No segundo mês, eu disse que você não gostava de mim. E na outra semana, afirmei que você estaria melhor com qualquer outra pessoa. Eu adorava colocar palavras na sua boca antes que você o fizesse. Pois preparar-me para o pior sempre foi o meu esporte preferido. 
Tempos depois você começou a evitar-me de qualquer maneira. E eu, a achar cada vez mais que você estava com pena de mim, e que a pior parte do teu dia era sempre aquela que vinha a imagem do meu rosto á tua mente. Antecedendo a tudo isso ainda houve aquela noite em que sequer preguei o olho alegando não merecer o teu amor. Enumerando todas as minhas angústias para entender porque diabos você continua aqui.
E mesmo que toda a sexta-feira eu me esconda sobre as mesmas cobertas e o chá de frutas vermelhas do qual só bebo por hábito, acredito que nunca serei capaz de admitir que o problema são as armadilhas criadas por mim. 
O problema é que você some. Mas eu que nunca respondo tuas mensagens. Há em mim uma vontade muito grande de te poupar da minha companhia. Talvez não porque eu me ache a pior pessoa do universo, mas sim porque eu preciso me preparar.E é por isso que tenho a mania de me questionar todos os dias o motivo pelo qual você ainda está aqui. O motivo pelo qual você me diz toda a noite que me ama sendo que digo-me o contrário e aceito que não posso fugir. 
Se você não me disser que está tendo um dia ruim, provavelmente passarei o mesmo dando razões para todos os meus pensamentos. Repito mil vezes todos os dias um pedido para que você não me deixe. O mais baixo possível, simplesmente porque detesto admitir o fato de que me apeguei tanto a você. Por isso, tento aceitar o fato de que você tem prazo de validade e ao mesmo tempo grito pela tua permanência como um pedido de socorro.
Eu gosto muito de você. Mas aqui dentro, não anda nem um pouco fácil. Não quero que meus monstros convivam com você, pois mesmo eles tendo medo de toda a tua profundidade, não confio no futuro. No fundo, a tradução de toda essa batalha é só um pedido para que você lute comigo. E nos dias quando o sol aparece na janela do meu quarto, sempre agradeço por você não dar ouvidos aos pedidos de ordem de despejo. Porque você sempre será aquele que eu chamo de lar

Like what you read? Give Juliana Probst a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.