Muito além de um cabelo

Há 8 meses não utilizo nenhuma química em meu cabelo.

Há 8 meses eu não resisto contra minha natureza. Há 8 meses re-descubro algo novo sobre mim a cada dia. Há 8 meses não faço ideia de como será o dia seguinte. Há 8 meses construo gradativamente a auto-confiança perdida. Há 8 meses tomei a decisão de me amar. Há 8 meses resolvi confiar no que Deus me deu. Há 8 meses olho para o espelho e procuro me aceitar todos os dias. Mesmo não gostando muito do que vejo.

E, alguns dias, são muito difíceis. Parece que nada vai voltar a ser como era. Nem eu, nem meu cabelo. Parece que estamos os dois totalmente sem rumo e sem direção. E, em muitos desses dias, eu só reclamo. Me pergunto “o que que eu estou fazendo?”. Me critico por não ter a auto-estima e auto-confiança necessárias para cortar logo e deixar ele seguir o caminho dele. Continuo resistindo.

Percebi que faço o mesmo com outras áreas da minha vida. Eu tomo a decisão (que geralmente é a parte mais difícil), eu convivo com ela, mas eu não me esforço tanto para que essa decisão seja a melhor e, tampouco, aceito a decisão que tomei. Eu não esgoto todas as alternativas que poderiam melhorar meu cabelo nessa fase e nem aceito o jeito que ele está. Assim como eu não saio panfletando minhas aulas de inglês e tampouco aceito ficar em casa sem trabalhar. Ou seja: permaneço no mimimi. Dando desculpas a mim mesma, me sabotando. Nesse ciclo que não está me levando para frente.

Vou cortar o cabelo.