Juliane Pimentel
Jun 13 · 2 min read

O vazio que fica

Na contramão do Dia dos Namorados, um término: não exatamente de um relacionamento, namoro ou crush. O fim de um sentimento. A percepção real e física da transformação de amor (concreto e vivido) em lembrança. O beijo que já não parece te conduzir pela naturalidade. O corpo que já deixou de ter curvas e traços tão comuns e familiares. O vazio completo de certezas e histórias.

Quando nos apaixonamos por aquela pessoa que mudou nossas vidas? Sabemos? O que virou a chave e decretou: é amor!? Difícil escolher um momento exato. E quando o inverso acontece? Quando é que deixa de ser amor?

A experiência mais recente – e por isso a que trato aqui – me faz crer que nos desapaixonamos quando precisamos nos esforçar para fazer o que antes era natural. O desencanto se torna verdade quando o corpo rejeita o que a mente já absorveu. O coração, ainda que pulse, já não depende daquele cheiro, daquele beijo ou daquele calor.

A certeza do fim surge quando não mais somos inteiros. Falta. E é abstrata a ausência. Talvez tu tenhas mudado. Ou tu já desnudou o outro de toda expectativa e projeção que antes eram combustíveis para tanto sentimento.

Mas não creio que o amor vai embora, fecha a porta e some. O amor se transforma. Em carinho, em afeto, em cumplicidade. O amor segue seu rumo.

Porque ele sabe que desse lugar já não há o que conhecer, aprender ou viver. É preciso seguir em frente. O amor precisa estar em sintonia com a caminhada de quem o sente. Não há como seguir sem ele. Nem querer ficar quando ele já não se faz presente.

O amor é o nosso todo dia. O amor são as nossas sutis conquistas. O amor é grande e não se satisfaz com pequenas porções de reciprocidade. Para ele é tudo. Ou nada. E se nada for, que abra espaço para o novo. Tanto faz? Não quando amamos.

E o vazio que fica? Difícil identificar a melhor forma de superá-lo. Talvez por isso esse texto seja cheio de perguntas e não respostas. A minha única certeza é que quando se abre espaço, quando limpamos a bagunça, um novo ambiente nasce. Uma nova morada se prepara para receber o inquilino corajoso e resiliente em meio a tantas desilusões: o amor.

    Juliane Pimentel

    Written by

    Welcome to a place where words matter. On Medium, smart voices and original ideas take center stage - with no ads in sight. Watch
    Follow all the topics you care about, and we’ll deliver the best stories for you to your homepage and inbox. Explore
    Get unlimited access to the best stories on Medium — and support writers while you’re at it. Just $5/month. Upgrade