Autoconhecimento pra Quem?

Velho Chico em viagem com minhas filhas….

Retomo minha escrita, após alguns dias de ajustes. Ajustes?!?!! Seja VERDADEIRO com você mesmo Juliano!! Ok, ok, a vida me presenteou com mais uma pérola nas últimas semanas. Mais uma sacolejada daquelas, de cair a bunda, como diríamos no Brasil. A Casa que tínhamos alugado aqui em Portugal em um contrato mais flexível e portanto com algumas componentes de risco se foi. Foi rápido, do jeito que essa Casa chegou até nós, também voou para bem longe. Iríamos ficar nela por seis meses, sabendo que ela poderia ser vendida e ainda receber visitas de interessados. Tudo bem, nós que iríamos experimentar a região, esperaríamos o término de seis meses para poder escolher essa ou alguma outra morada nas proximidades. Eis que, a única hipótese se materializa!!! Uns vão dizer que é Lei de MURPHY. Eu lhes digo, LEI DIVINA. Tínhamos topado aquela casa, pois nela poderíamos receber eventos, organizar nossas atividades, e reunir tudo o que acreditávamos em um único local. Adaptamos rapidamente nosso caminhar com as possibilidades que aquela casa oferecia e concretizamos; tivemos dois eventos no local, um jantar com um Grande Chefe Alquimista, de alimentação consciente, e uma manhã de Yoga, que foram muito bem recebido pelos que puderam participar, e comentar posteriormente.

Uma propriedade na montanha, em um terreno bem espaçoso, uma sala incrível com lareira e paredes de pedras, salas de apoio, uma cozinha de filme, uma HORTA!!!. Tudo o que havíamos imaginado. IMAGINADO?? Pois, não era pra gente e tivemos de nos adaptar rapidamente. Toda a energia que colocamos, os dias sonhando, limpando e arrumando o local para abrigar nossas idéias, o $$$ e os contatos, a divulgação do espaço e criação de nossa START UP, tudo se foi. Não em vão, pois tudo tem um motivo de ser, e vivo assim minha vida depois que decidi mergulho pessoal. Aliás, vivemos, pois minha companheira sofre mas acompanha, pois entende que estamos JUNTOS NESSA! E sou cada dia mais grato por nossa União, e pelos VOTOS quase que diários que estamos tendo a chance de renovar.

Escolhemos então sentir, e partimos para a operação de guerra! Uma noite de integração da pancada, uma manhã de discussões acaloradas, silêncios solitários, e nova mudança, procura de casas, negociação de contrato, transferências de escolas, ajusta daqui, ajusta dali, pacotes, caixas e caminhão de mudança!!!

Decidimos mudar tudo de novo; de região, de escola, de estratégia, e de ares….. e tudo isso pra que? Em nome do que? DA VERDADE!!! De nossa verdade. Estávamos ali naquele local, naquela situação, em busca de um ideal, um sonho que não era o nosso, uma jornada que se distanciaria da que já tínhamos sonhado antes de chegarmos a Portugal. E pelo mesmo motivo com o que fomos presenteados em encontrar a única casa que nos acolheria na chegada, fomos presenteados com sua venda e a nova necessidade de nos ajustarmos. E nos ajustarmos a que??? A necessidade de nos desapegarmos ao externo, ao planejamento em excel, e voltarmos a sentir o caminhar. O ser humano é assim, busca conforto na mente, na razão, no estático e na certeza. Ora!!! Certeza de que??? Só se for a de que um dia todos iremos partir…. Não foi fácil, mas novamente tivemos de fazer escolhas, mas a vida nos cobrou que esta escolha fosse muito bem pensada…. quer dizer, SENTIDA!! Afinal, a próxima morada, só se concretizaria, com um comprometimento de quase toda nossa reserva, uma vez que anteciparíamos 4 meses de aluguel, por não contarmos com fiadores aqui em Portugal.

Foi simples, zeramos a nossa conta corrente, e garantimos nosso ninho. Dessa vez um apartamento no centro de uma acolhedora Vila de Pescadores na margem sul do Rio Tejo, com vista para Lisboa, e a metros das novas escolas das Miúdas. SIMPLES??? ZERAR a conta corrente é simples??? Sim, é simples mas não é fácil. É ae que entra o Autoconhecimento. Sem ele, não conseguiríamos ter apertado a tecla confirma, no Multibanco (Caixa Automático), esvaziando nossa conta-corrente, como aqueles, que em uma verdadeira aventura de ficção, apertam o botão vermelho lançando um míssil contra uma ameaça GLOBAL. Mais uma semana de limpeza, arrumação, transferência do contrato de internet, água, eletricidade e gás… oops, gás ainda não; estamos tomando banho frio, como os que tomávamos na BAHIA em nosso Sabático na praia. Enfim, uma nova fase novamente. Um novo recomeçar dentro de outro começo. O VIVER.

Das múltiplas definições que podemos associar ao Caminho do Autoconhecimento, a que melhor cabe a nossa família, é a de resgate de nossa Espiritualidade (afinal, somos seres espirituais caminhando em uma experiência terrena),de nossa conexão com o Universo e a consciência de nossa presença! Pelo Aurélio, autoconhecimento como conhecimento de si próprio, pelo Wikipedia, objeto de investigação epistemológica ou a finalidade de uma busca de natureza ética, por outras definições online, autoconhecimento como isolamento e busca de nossa essência por nós mesmos, algo egoico, curando nossos traumas de infância e sermos agora capazes de nos encararmos frente ao espelho. Todas as definições estão corretas, mas temos de olhar a que melhor nos traz significado, a que somos capazes de sustentar, pois uma vez escolhido esse caminhar, é impossível voltar atrás, e fazer de conta que somos apenas mais um na multidão, seguindo os ideais que nos são apresentados como Mc Menu pelo ´´SISTEMA´´. A vida simplesmente te puxa novamente para o turbilhão do caminhar, ao fluxo e a espiral universal do movimento, da fluidez, e da leveza inerente a nossa natureza humana e animal.

Gosto ainda da definição pela Tradição Védica, do Hinduísmo, que contempla várias definições para o Autoconhecimento — a busca pelo Absoluto, do ´´Eu Interior´´ ou do ´´Eu Maior´´, da consciência, de Deus, da realidade e da plenitude entre outras formas. Acrescento então, que TODOS, sem exceção, podemos e devemos utilizar o Autoconhecimento para vivermos o presente, lembrarmos a confiar e a sentir, afinal, é apenas isso que a vida nos cobra, e nos oferece, através das mensagens que chegam até nós pelos acontecimentos no decorrer de nossas vidas. Simples assim, vamos vivendo o PRESENTE.

Juliano Marchiori