Moby Dick: a baleia e uma história real assombrosa

Uma gigantesca baleia enfurecida ataca e afunda o barco de seus predadores. Estamos em 1819, nos confins do Pacífico, um assustador deserto de água, onde 21 marinheiros terão que lutar por suas vidas em minúsculos barcos a vela, sem GPS e com parcos conhecimentos da geografia mundial. Poucos, pouquíssimos sobreviveriam para contar essa história arrepiante.

A saga dos náufragos do navio americano Essex inspirou o clássico “Moby Dick”, de Herman Melville, ele próprio um tripulante de barcos caçadores de baleia, onde teria ouvido pela primeira vez “uma das maiores história verdadeiras já contadas”. A descrição precisa é de Nathaniel Philbrick, que reconstruiu a tragédia do Essex no livro “In The Heart of The Sea” (“No coração do mar”, Companhia das Letras, 2000) . A obra virou filme em 2015, e por aí vocês já sabem como cheguei a mais esse relato marítimo.

A partir de impressionante e cuidadosa pesquisa, conduzida ao longo de 7 anos por Philbrick em diários de tripulantes e inúmeros documentos históricos, o autor nos transporta para a Nantucket do início do século 19. A vila, que ocupa uma ilha a 50 quilômetros do litoral de Massachussets, na costa leste dos EUA, se tornou o centro da caça às baleias do mundo. Fortunas faram feitas com o comércio do óleo extraído das gigantescas criaturas, que queimava em todo o país para iluminar ruas e lubrificar máquinas da era industrial. Quando o Essex parte para o que seria apenas mais um dos rentáveis circuitos de caça pelo Pacífico, o leitor já está totalmente familiarizado com aqueles bravos marinheiros e seu universo particular, graças à impecável descrição de Philbrick.

Antes disso, a cena inicial é chocante: o resgate de dois marinheiros esquálidos em um barquinho à deriva, seus olhos esbugalhados e as mãos agarradas a ossos humanos dos colegas que garantiram sua sobrevivência de maneira macabra. Assim, ficamos sabendo que algo terrível aconteceu e que houve sobreviventes. Mas como teriam chegado a esse ponto?

O autor então navega com fluidez pelas inúmeras turbulências enfrentadas pelo Essex antes e depois do ataque fatal. Colocados à prova, os jovens marinheiros revelam sua natureza humana: de liderança e coragem a mesquinhez e desesperança. Da alegria do resgate à vergonha da volta para casa, fracassados e emocionalmente destruídos pelo que tiveram que fazer para sobreviver.

Como destaca o livro, ao contrário de aventureiros sobreviventes como Shackleton, que buscaram o perigo, a tripulação do Essex estava apenas buscando um meio de vida quando se depararam com a tragédia.

O envolvente drama do Essex é uma das grandes histórias da humanidade, que merecem ser contadas pelo talento de mestres como Philbrick. E instiga a nós jornalistas — essencialmente, contadores de história — a buscar os grandes enredos verdadeiros do mundo que estão por aí, aguardando seu momento de brilhar num texto bem escrito.


Originalmente publicado no site de Juliano Nóbrega

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.