Parece simples, mas não é
Bianca Cunha
71

Bianca. Você escreve muito bem :D

Acho muito bacana discutir esse tipo de coisa. Um amigo meu disse uma vez, um comentário jogado em uma conversa bem casual, como mesmo quando as pessoas falavam uma coisa extremamente ao contrário do que ele acreditava, ele não apontava os erros, mas tentava incentivar ela a falar para, aos poucos ir introduzindo as ideias dele. Assim eles aceitariam melhor e ouviriam ao invés de ficar bravos.

Eu brigava muito com a minha mãe que, sem querer, repetia muitos discursos machistas e homofóbicos sem perceber que eles tinham esse tom. No começo ficava brava e dizia que ela estava errada e isso só aumentava o discurso dela. Quando comecei a falar com calma e a ouvir também, ela começou a perceber como era errado aquilo e percebeu sozinha, sem que eu apontasse. Um dia ela me respondeu: “sei que isso não é bem assim hoje em dia, Júlia. Mas você tem que ver que eu nasci numa época em que era”. Eh muito difícil mudar o “mindset” de alguém de um dia pro outro e dizer que algo em que ela acreditou e seguiu a vida toda é errado.

Amei seu texto, moça. Lerei os outros em breve!

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.