O que diabos aconteceu com a GERAÇÃO Y?!
Ícaro de Carvalho
14.2K720

Quando algo é pioneiro, é bastante difícil implementar e ‘abrir picada’ onde não existe nada, mas as novidades são fascinantes até a página 2. Depois vem a realidade do trabalho duro. Detonar as boas características da geração Y ou culpá-la por não se submeter a vontade das gerações passadas é um erro maior do qual a geração Y paga (e tem que pagar para aprender como consumar suas vontades). Mas é ótimo ter uma geração que não está nem ai com as ideias carcomidas do passado, ter filhos para aprender? (serei chamado de insensível, mas isto é sabedoria? Por favor), trabalhar duro sempre foi necessário. Ter carro? Não, amadureça… Provavelmente o autor passou agruras com alguém mais novo que não quis sonhar sonhos alheios porque percebeu que tem que sonhar seus próprios sonhos, é preciso também que sejamos justos, querer que outros nos ajudem a levantar nossos sonhos não é um motivo de vida… A tempo, não defendo a geração Y, mas suas novas características são melhor que o passado carcomido pelo tempo. Como qualquer geração ela comete um erro, achar que não é necessário trabalho duro para cristalizar suas vantagens. Erro que toda geração comete tentando facilitar as coisas, acaba dificultando. A parte de ‘ficar doente’ é a que mais concordo, pois não estou fazendo um contraponto ao texto, apenas deixando minha opinião sobre algumas generalizações. Ah, e o fato de uma geração se tornar escrava de sua boa vontade não representa nem 10% da dedicação destas novas gerações, onde o maior problema é a falta de comprometimento até consigo mesmo, então está se batendo justo na parte dedicada desta geração, que até erra por isto, mas há muitos pontos a se ver antes de simplesmente ‘aprender a ter uma vida equilibrada’, isto funciona como ideia sindicalista, mas na crueza do mundo há outros pontos onde esta ideia não se sustenta não importa a geração, e somente muita sabedoria e cabeçada na parede corrigirão. No fim das contas, as contas sempre chegam…

Like what you read? Give Julio Cesar Carraro a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.