Virtudes do amor

Meu amor por ela é assim
Uma disputa eterna de quem deve comandar
Neste jogo de loucura e poder
Você bate ou gosta de apanhar?

Empatia não é uma condição
E o orgulho é levado a sério
Na euforia de satisfazer meu desejo
A confusão dorme com o mistério

Tentando montar um quebra-cabeças
Na prisão de minha solidão
Sua cabeça é um labirinto
Da qual desvendar é minha ambição

Coloco as cartas à mesa
Buscando o domínio desse jogo perigoso
Todavia ninguém sai ileso
De um relacionamento venenoso

Tentando laçar sua vontade
Divago pelas nuances de sua personalidade
Exponho seus defeitos
E mergulho em sua singularidade

Da qual eu me apaixono
Me perco
Me afogo
E me lambuzo

Pois que graça tem o amor
Se não for pra ser sujo
Intenso
E confuso?

Like what you read? Give Julio César Dilenardo a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.