Na "Casa-Grande" em troca de um plano de saúde.

Rick Jarrow é autor americano, Ph.D, pioneiro no Movimento Anticarreira, professor visitante de História da Religião no Vassar College e ex. Mellon Fellow em Ciências Humanas da Universidade de Columbia. Autor de Criando do Trabalho que Você Ama (2014) — que sugiro a leitura, e do qual os pensamentos abaixo fora retirados.

"Se a paciência substituir o tempo, poderemos ser capazes de nos reconectar com os ritmos naturais de nossa natureza. Em vez de procurar um novo emprego "do lado de fora", podemos retornar para a verdadeira origem — nós mesmos — e permitir que nossa autenticidade recrie nosso estilo de vida e nosso trabalho, pois os dois andam de mãos dadas". (pág 18).

"O trabalho convencional faz parte de nossa sentença de prisão diária, e seu objetivo é o pão, a sobrevivência. O único motivo que você tem para trabalhar é que está exilado de seu estado original e, quanto mais trabalhar — quanto pior for a situação que aceitar para você — mais você expurgará sua pecaminosidade inerente". (pág 21).

"Podemos acreditar que estamos muito longe da servidão da Idade Média ou da escravidão dos engenhos, mas somos nós as pessoas que não podem sair da casa-grande porque perderíamos nosso plano de saúde”. (pág 21).

Tornar sagrado o seu trabalho é acreditar no que faz, ter a realização de um bom trabalho como sua própria recompensa, e sentir-se orgulhoso de seu trabalho não pela comparação com o o trabalho dos outros, mas por sentir-se bem por dentro, pleno de integridade, não fatigado ou drenado de energia. É um trabalho que não destroi a vida, que honra o prazer, que promove a plena presença e envolvimento e reflete o sentido mais profundo do ser! Este é o desafio deste trabalho". (pág 25).

"Havia uma mulher que sonhava em ir para Israel e se tornar uma pacifista atuante. Tinha grandes possibilidades de comunicação organizacional e interpessoal, mas nenhum outro plano de ação. No entanto, seu ideial não era mais que uma fantasia passageira. Havia muitos anos ela o acalentava em seu coração, como numa incubadora. Seus filhos estavam agora na faculdade e ela se sentia mais pronta do que nunca para ir em frente e ver o que a vida poderia trazer. Tão logo começou a imaginar isso como possibilidade concreta e a realmente planejar uma viagem para ver o que aconteceria, a empresa em que trabalhava lhe ofereceu um aumento substancial. Seu cérebro entrou em ação imediata. Começou a pensar: "Eu poderia trabalhar mais cinco anos, poupar dinheiro suficiente para garantir o meu futuro e, então, ir em busca do sonho". (p 115–116).

"A fim de passar do sonho para a realidade, é preciso pôr o sonho à prova e a única maneira de fazer isso é arriscar o sonho no cadinho da ação. É por tentativa e erro que as informações realimentam o processo do sonho e os mundos interior e exterior começam a trabalhar juntos". (pág 35).

"A chave para o trabalho criativo/autêntico é: ter a capacidade de baixar a febre de querer ser outra pessoa ou de estar em outro lugar; a capacidade de tirar a máscara que diz que `está tudo bem' ou `eles não estão nos arruinando', e enfrentar a própria situação com coragem". (pág 38).

Trechos retirados do livro Criando o Trabalho que Você Ama, de Rick Jarrow (2014).