Mais um

Foto aleatória do corredor.

Abri a mochila, tirei o trabalho e entreguei. Peguei a mochila, coloquei na costas e saí. Notei que tava mais leve, mesmo eu tendo tirado apenas um papel que devia pesar 1g. Era uma sensação de leveza que me fazia respirar com tranquilidade e involuntariamente sorrir. Eu não conseguia pensar muita coisa. Só queira ir comer. Afinal, já era mais de 19h e eu só tinha comido um pouco do almoço de uma amiga durante o dia todo.

Cheguei na cantina, pedi um suco de acerola, uma coxinha e comi sem nenhuma pressa. Diferente do resto do dia, eu não tinha mais nenhum compromisso, a não ser apreciar a coxinha. Terminei e fui andando pegar o ônibus.

Enquanto passava nos corredores, um sentimento de nostalgia e saudade me fazia perceber que completei mais uma fase da minha vida, e melhor, do meu jeito.

Esse semestre, diferente dos outros, não me cobrei tanto, fiz tudo no meu próprio ritmo, paguei o número de disciplinas que eu escolhi, e termino com a sensação de que fiz o meu melhor, claro que com alguns deslizes, mas com um resultado diferente dos outros, e nem falo só de notas.

Durante esses meses, mais uma vez, aprendi muita coisa, desconstruí outras, fortaleci laços, e puder viver intensamente esses momentos que mostram que a universidade não é só estresse e noites acordado, mesmo que isso tenha tanta força e nos canse tanto.

O cansaço é inevitável, mas não vale a pena deixa-lo ser sempre presente. Correr pra se igualar ao tempo dos outros, não faz tanto sentido quando você tá construindo a sua própria história.

Like what you read? Give Jullyendson a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.