balanço de uma horta no inverno

Oi gente,

Demorei para escrever essa entrada por diversos motivos, o maior de todos foi a grande frustração por ser uma hortelã (a ocupação de quem cuida de hortas, não a planta) durante o inverno de Porto Alegre. Aliás, um inverno eterno nesse 2016, já que faz frio desde maio.

As plantas coitadas não se aguentam mais, com o frio, a maioria simplesmente se recusou a crescer, a cebolinha tá há uns 2 meses com 4 cm de altura e a grossura de um nadinha. A hortelã (planta, não eu) secou toda no meio, não sei se porque a raiz tá muito enorme pro vaso ou por causa do frio de fato, mas podei pra ver se as folhinhas bonitas se multiplicam, vamos ver.

O manjericão verde: esquelético. Meia dúzia de folhas lá no alto e umas meio amarelinhas (falta de nutrientes?). Coitado. Também fiz uma muda nova dele há uns meses. Parada. Acho que nunca cresceu, só tá lá sobrevivendo todo dia bem verdinha, do mesmo tamanho, nenhuma folha a mais, nenhuma folha a menos. Não sei se acho isso bom ou preocupante. Frustrações sem fim…

Por outro lado, comprei um tomilho na feirinha. Quase nunca compro mudas, prefiro plantar da semente, mas é importante variar. Ele veio todo humilde numa metade de garrafa pet de sei lá o quê, óleo de soja talvez. Eu não tinha vaso pra transplantar e resolvi deixar ali naquele plástico feio. Ironicamente, ele é o mais bonito da horta no momento. Tomilho valente truezão. Parabéns ao tomilho.

O que mais…?

Ah sim! Plantei um mix de verduras que anda ótimo. Vocês sabiam que pode misturar sementes de alfaces, rúculas e folhas em geral e plantar tudo junto numa floreira pra colher saladas baby? Sim, eu também fiquei chocada quando descobri. Acontece que dá super certo (até no frio) (tirando pequenos territórios amassados de gato, vide foto abaixo). Estão crescendo meio devagarinho, mas crescendo. Elas melhoram nitidamente quando chove, então fico feliz com a chuva, mesmo que nesses momentos fique claro que o meu ato de regar é menos efetivo, como um consolo, sabe?

Engraçado que a cada chuva que cai parece que as plantas ficam meio loucas, assim, querendo sair logo pra fora bem desesperadas. Nessas horas, até dá uma animação na hortelã (pessoa), um sentimento de que a vida tá indo pra frente e que é mais ou menos útil a nossa preocupação diária com regar, podar, adubar etc etc etc.

Sobre as beterrabas, até que andam bem. As folhas, pelo menos. Aliás que folhas gostosinhas, tenho colhido para saladas esparsas. Esses dias puxei uma planta pra ver se tinha de fato uma beterraba na raiz. Com uma mão, segurei os ramos já mais ou menos fortes, com a outra segurei o celular pra filmar o momento grandioso e revelador de tirar a coisinha da terra. Mas no fim a raiz era um fiapinho magro e depressivo e eu fingi que não tinha colocado nenhuma expectativa nesses primeiros 70 dias de cultivo, coloquei ela de volta na terra e esperei não murchar.

Murchou, claro. Tem vezes que quando a gente puxa a raiz pra ver se tem alguma coisa embaixo da terra (e não tem) e depois a gente bota ela de volta, ela dá uma morridinha. Não sei, acho que em protesto por ter visto o sol de uma forma tão prematura, ou só porque que sei lá, beterrabas devem ser de capricórnio, aquele signo de terra que odeia mudanças. Enfim, o caso é que depois de eu ter ansiosamente puxado a beterrabinha pra ver se tinha alguma coisa parecida com uma beterraba na raiz — e não tinha — e ter colocado ela de volta na terra e ela ter murchado e eu ter ficado absolutamente culpada e triste, ela reviveu! As folhas voltaram a ficar vistosas e o caule enrijeceu. O que tem embaixo da terra, não faço ideia, mas tá bem bonito por enquanto. Beterrabas bravas de guerra. Parabéns a elas também.

A grande novidade é que agora a minha horta tem flores. Ou pelo menos umas coisinhas minúsculas que devem se tornar margaridas nos próximos meses. Não sei cuidar, e elas tão bem tímidas, novas experiências. Em breve falo mais.

Seguimos esperando a primavera.

Imagens das plantas supracitadas aqui:

Cebolinha que não cresce:

Hortelã:

Manjericão verde (pai):

Manjericão verde (filho):

Tomilho bonitão:

Mix saladinha (detalhe para a pequena devastação do gato à direita)

Beterrabas de capricórnio:

Margaridas:

Até a próxima :)

A single golf clap? Or a long standing ovation?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.