20 de fevereiro, 20:59

hold on

Sabe, eu passei o dia todo sem conseguir entender do porque ter acordado tão cabisbaixa. Eu passei o dia todo tentando não chorar porque afinal, não via sentido em chorar por algo que não tinha significado. Pelo menos eu achava que não tinha…

Após um dia inteiro, sem fome, sem sede, sem vontade de nada, apenas de ir aos prantos para o meu quarto e agarrar o travesseiro enquanto coloco Ed Sheeran pra tocar baixinho, enquanto olho suas fotos embaçadas por lagrimas correntes, eu entendi o que estava acontecendo. Eu lembrei de você.

Eu lembrei de você e me desmoronei.

Desmoronei porque fazia tempo que esse sentimento não vinha a tona de volta. Que esse vácuo interno não me apertava o peito assim de supetão. Que as palavras não se enroscavam como se não quisessem sair. Que eu me sentia tão frágil assim. Que eu me perdia num abismo tão fundo assim.


Eu poderia dizer o quanto odeio quando lembro de você em algum lugar em público. Poderia dizer também o quanto meu sangue ferve quando ouço alguém dizer odiar seu pai. Poderia fazer mil textos sobre isso. Poderia fazer mil textos sobre você.

Eu poderia ter ido no seu lugar. Sei que não é algo bom de se ler ou de se ouvir. Mas é que a minha dor e angustia me dói mais do que o sentimento alheio neste quesito.

Perder-te foi e sempre será a maior perda inconcebível que terei. Por mais que eu não ganhe na loteria. Ou não passe naquela prova que talvez definiria meu futuro inteiro. Por mais que eu perca o amor da minha vida. Por mais que eu perca a Mel (você sabe o quanto eu andei rezando pro senhor me ajudar a respeito dele, não sabe? Eu sei que sabe). Eu ainda vou ter-te como a maior perda de todas.

Não é como perder dinheiro. Não é como perder o almoço. Não é como perder um amor. É perder um alguém que fez parte de ti desde o começo. É perder alguém que você nunca imaginaria sem. É perder uma parte de si nele. É se perder toda vez que isso acontece. É me perder em ti pois não o tenho mais.

Desculpa, Eu te amo.

Com carinho e saudade

de sua filha,

Júlia.

Like what you read? Give júlia, A insuficiente. a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.