eu achei muita coisa…

e no final, não passava de um grande entulho.

Eu achei que as pessoas me viam de uma forma diferente. Talvez com um poderio maior do que eu percebi que tenho. Eu achei que minha fala era audaciosa e firma, mas me contaram que gaguejo as vezes e perco a autoridade por fragilidade emocional. Eu não achei que era tão emotiva, até as pessoas virem falar comigo e perguntar se esta tudo bem incontáveis vezes semanais. Eu pensei que sabia muito de Van Gogh, Hitler e química, mas questionamentos me provaram o contrario. Eu achei que era impossível sentir algo que fosse bom mas ao mesmo tempo desconfortável, até senti-lo. Eu pensei, achei, vi, não vi, ouvi, falei, escutei, senti tanta coisa em 17 anos que tenho medo de continuar esse trajeto e me afogar em meu pensamento frágil e inconstante. As pessoas me disseram que penso demais sobre o que acham de mim e eu deveria me preocupar mais comigo. Assim, eu seria uma alguém mais estável de pensamentos e emoções. Mas se eu fizesse isso, eu continuaria sendo eu? Ou estaria sendo alguém que as pessoas querem que me torno?

O meu auto-questionamento esta sendo algo muito continuo. Algo que se repete muitas vezes ao longo do dia e está se tornando monótono.


talvez eu continue, talvez.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.