Não seja c#zão

Por que algumas pessoas sentem tanta necessidade em ser isso o tempo todo? É facil ser, ok, entendo isso. Só que é mais fácil ainda não ser. Com o mínimo de esforço você consegue este grande feito. O problema é que a maioria nem percebe tal prática e continua achando que tá fazendo bonito.

Sabe aquele “fiu-fiu” que tu lança pra qualquer moça na rua? Então, isso te faz um cuzão. Sabe aquela noite no barzinho em que tu deu em cima do namorado da sua amiga? Tu foi cuzona. E aquela vez que sua avó te pediu ajuda no computador e tu fingiu não saber só pra não ter que ajuda-la? Adivinhe: foi.

Simples. Único. Apenas. Não seja cuzão.
Uma escolha mais fácil do que as pílulas de Matrix

Sem contar coisas mais graves como arrumar briga só pra pagar de machão na rua, dirigir embriagado, tecer comentários racistas/homofóbicos/xenofóbicos, destilar o ódio… Tudo isso é desnecessário, jovem. E se você acha isso comum, seu caso é mais sério do que eu pensava. Mas há cura.

Não, Buda não disse isso. Mas essa pode ser sua filosofia de vida

Espalhe o bem, seja prestativo, queira o bem para outra pessoa. Fique feliz com as conquistas alheias, seja gentil. Dê bom dia, retribua um sorriso dado, presenteie sem motivo, dê um telefone surpresa só para saber se a pessoa está bem… Em 10 segundos você acabou de ler maneiras de não ser mesquinho e azedo. E essas ações podem te trazer horas (talvez dias!!!) de satisfação emocional com sigo mesmo.

Nas palavras de Masaharu Taniguchi “Não há satisfação maior do que aquela que sentimos quando proporcionamos alegria aos outros

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.