Quando já é hora de partir

Ô meu bem, então me diz o que eu faço com esse aperto aqui no meio do meu peito? Onde eu coloco esse sentimento que vive em mim?
É agora a hora, já passou do tempo de você ir. 
Já não vejo mais sentido em te manter aqui, dentro de mim. A vida parece que também não nos quer perto um do outro, é aquele tal de destino que nunca nos quis juntos…
Eu prometo, prometo que não vou esquecer das risadas, das noites perdidas e de nós dois quando conseguíamos ser tão nós. Ninguém era capaz de te tirar de mim, deve ser por isso que você nos fez assim.
Mas agora é a hora, amor.
Amor? É, eu nunca falei.
Talvez uma vez ou outra no meio de alguma bebida, mas nunca admiti o que sempre senti, e você sempre soube.
Nunca precisei falar que te amava para você saber que o meu sentimento era tão grande a ponto de não caber em mim. Eu transbordava.
Devia ser esse o motivo das lágrimas que caíam desesperadamente dos meus olhos todas aquelas vezes em que eu insisti em te perdoar, para tudo acabar sempre igual.
Não, não quero nada de mágoas, ódio, rancor. Embora doa muito aqui dentro tudo que passamos e tudo que senti. Mesmo que eu sobreviva de alguma maneira a um sentimento que vive tentando me matar. É que uma vez me disseram que isso era amor.
Ah, se eu soubesse… Se eu soubesse que aquele olhar viraria tudo isso. Faria tudo de novo.
O que fomos? Acredito que uma linha tênue entre o nada e alguma coisa. Desconheço, meu bem, assim como desconheço o nosso futuro. Se é que ele vai existir…
Espero que não, do fundo do meu coração.
Eu te mato dentro de mim, mas é para você não me matar.
Ah, se você imaginasse tudo que senti, passei e vivi só por causa de um amor maluco que você resolveu inventar.
Me pergunto se fomos de verdade. Será que algum dia você acreditou que eu poderia ser quem você quer para sempre ao seu lado?
Porque se a resposta for não, só te peço para me deixar ir. Se a resposta for sim, talvez agora seja tarde demais.
Não, nunca é tarde para recomeçar. Mas agora é hora de eu recomeçar a minha vida, meu bem. Preciso de um tempo para voltar lá no início, quando eu estava apenas construindo a minha história e você me achou no caminho. Me buscou e me levou para lugares nos quais eu nunca me imaginei, bons e ruins.
Mas e eu? Onde eu me perdi por aí?
Acho que foi no seu olhar.
Não, talvez tenha sido o sorriso.
Ou então essa maneira boba de me fazer rir. E de fazer todo mundo rir.
Eu te disse, não faz isso comigo.
Eu nunca fui flor que se cheira, não, você se engana.
Eu sou o caos, a bagunça.
E você tirou o restinho de paz que havia em mim, mas eu te amo mesmo assim.
Agora vai lá.
Pega esse vôo do nosso fim e por favor, nunca esqueça de mim.
Mesmo que eu não tenha sido como as outras, ou como você queria que eu fosse.
Mesmo que eu não tenha te oferecido tudo que você esperava de mim.
Pode me deixar partir, aqui, para um novo mundo. Enquanto eu te deixo ir, levando parte do nosso velho caos. 
Você leva partes de mim das quais eu desconheço.
Você leva um amor que me tirou e nunca pôde me dar.
Mas nada adianta mais falar.
Agora vai, antes que seja tarde. 
Afinal, quem mandou eu te amar?
Like what you read? Give ㅤali a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.