“Eu preciso escrever sobre você”

Você me disse. Eu não entendi bem… Quer dizer, eu entendi. Na verdade eu não acreditei.

-Sobre mim?
- É, sobre você!
- … Sabia que eu gostei disso?
- Foi? Pois eu tô falando sério. Nunca conheci alguém como você. Você é o tipo de pessoa que merece ser eternizada em palavras. Parece que você transpira poesia *pausou abruptamente como se tivesse desistido do que ia falar*
- E?
- E? Tá achando pouco o que eu disse?
- Não, de jeito nenhum. Eu adorei o que você disse! É que pareceu que você ia falar mais alguma coisa e preferiu não dizer.
- Ah… mas é, você transpira poesia. Tem alguma coisa em você que dá vontade de ficar olhando, olhando, olhando... Faz minha cabeça se encher de beleza. Não só porque você é linda, mas porque você “é” de um jeito lindo. Teu ser, sei lá.
- Tu conseguiu me deixar com vergonha… Sempre quis que alguém me enxergasse desse jeito. Ser vista com doçura, com carinho é muito bom. Eu acho que um dos presentes mais bonitos que se pode dar pra alguém, é um texto, uma poesia, uma música, uma arte, sabe? Parece bobo, mas no meu namoro anterior quando ele me perguntou o que eu queria de aniversário, eu disse, sem titubear: “eu quero que tu escreva pra mim”.
- E ele escreveu?
- Escreveu… Eu gostei, mas não foi arte. Não foi poesia, sabe? Poesia mesmo foi o que ele me escreveu quando se deu conta que tinha me perdido.
- É, na dor a gente escreve melhor.
- Sempre achei isso. Raramente escrevo quando tô feliz, inclusive.
- Ah, eu não. Eu escrevo muito quando tô feliz! E gosto de escrever sobre as coisas que me encantam…
- Engraçado, eu meio que não consigo. Acho que é porque apesar de ser alegre, eu ainda não fui verdadeiramente feliz. Ou pelo menos não fui feliz por um período consecutivo e considerável de tempo. São sempre pequenos episódios, momentos, alguns dias, nunca dura muito. Aí quando a felicidade aparece, eu vivo os pedacinhos dela ao máximo porque sei que logo eles acabam. E aí eles realmente acabam, dói, e eu escrevo. Tudo bem que nas últimas semanas minha vida tá bem melhor, meu presente e meu futuro estão bem mais coloridos, mas eu sei que o que eu tô vivendo agora ainda não é felicidade, FELICIDADE, sabe? Tem uma música até que diz “felicidade não existe, o que existe na vida são momentos felizes”. Na minha vida as coisas foram bem por aí mesmo até agora…
- Tá vendo? É por isso que eu preciso escrever sobre você. Tu carrega uma dor sem tamanho no peito, tu carrega teu mundo e o mundo de um monte de gente nas costas, tu não tem ninguém que verdadeiramente cuide de você e mesmo assim você tem uma força, uma resiliência, uma teimosia que te faz continuar sorrindo, acreditando, amando as pessoas e seguindo em frente. E isso é… Não sei dizer... É DO CARALHO, sabe?
- É… Eu sou tudo que eu verdadeiramente tenho. Todo o resto é e foi passageiro… Mas um dia alguém fica.
- Um dia alguém fica…

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.