Movendo a balança

Decisões são tomadas todos os dias em nossas vidas. Certas, erradas, não dá para caracterizá-la. Toda escolha é certa, são suas consequências que serão alvo de julgamento. Toda decisão gera conhecimento, experiência e novas decisões; também são responsáveis por construir o nosso carácter, nossa personalidade, reunindo uma imensidão de detalhes meticulosamente escolhidos, um a um.

Escolher move a balança.

Nem sempre o resultado de uma escolha remete àquilo que se foi desejado. Nesse momento o arrependimento é o sentimento (ou uma reação emocional) que nos faz mudar de ideia sobre fatos passados. Se não há escolha o arrependimento será certo, pois nunca se teve a oportunidade de mudar.

Pelo wikipédia: a palavra arrependimento é de origem grega (μετάνοια , metanoia) e significa conversão, mudança de direção e mudança de mente; mudança de atitudes, temperamentos; caráter trabalhado e evoluído.

Então arrependimento quer dizer renovação de entendimento, mudança de atitude, ou seja, atitude contrária, ou oposta, àquela tomada anteriormente. O arrependido verdadeiramente percebe e se sensibiliza das conseqüências não agradadas que seus atos causaram.

Arrepender-se move a balança.

Na maioria das vezes, para não dizer sempre, a motivação por trás de uma escolha vem dos valores encrustados no ser humano. Valores estes provenientes de nossa formação nos primeiros anos de nossa existência.

Um valor bem conhecido que impulsiona os caminhos de nossas vidas é chamado de esperança. A etimologia da palavra “esperança” tem sua origem no latim. Derivada de spes, que tem o significado de “confiança em algo positivo”. Acreditar faz com que a escolha fique mais clara de ser feita.

Esperança move a balança.

Balança nos remete ao equilíbrio, mas nunca fica parada. O movimento da balança é lento, uma longa harmonia entre seus pratos e pesos: mudanças; escolhas; confiança; vontade; valores … Uma balança sem movimento é uma balança imóvel, portanto não é uma balança.

Entre tomar um caminho ou outro, existe também a opção de não tomar caminho algum. Não escolher, não querer, não saber, não mudar — quanta negativa — muitos nãos. A falta de escolha é um não que se entrega gratuitamente a vida. Tomar uma decisão é intangivelmente mais importante que não tomar, o resultado da escolha em si é um mero detalhe.

NÃO move a balança.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.