O segundo namorado.

Eu tinha um problema de auto confiança tão grande – e ainda tenho – que precisava emendar uma relação noutra. Precisava sentir que alguém me amava. (Problemas familiares, coisa de não ter amor da minha mãe e etc). Eu queria fugir de casa, o tempo todo. Então começava a namorar, dificilmente escolhia muito bem. A intenção – obviamente inconsciente – era viver uma vida que não era dentro da minha casa, porque aquilo me adoecia mais. O problema foi que não me curei do primeiro problema para enfrentar o segundo.

Mas fui lá, eu tinha emagrecido um pouco após o fim do relacionamento, já me sentia “desejada” novamente. Caras bonitos sempre queriam ficar comigo, mas eu tinha um “problema”, eu não transava.

Eu não tinha confiança em mim mesma suficiente para transar com alguém que eu só estava ficando, então eu namorava. Ou eles me namoravam para transar. (Que foi o que ouvi deste segundo namorado)

Esqueci de mencionar anteriormente, eu nunca consegui ficar mais de um ano com ninguém, nenhum namoro durou mais de um ano.

Íamos morar fora do país, eu não tinha nenhum apoio em casa, tinha saído do colégio, ele era fluente em inglês, era formado, era o homem que eu queria que me admirasse como eu admirava ele.

Mas eu não me sentia assim, eu não achVa que alguém poderia me admirar.

Ele começou a controlar meu peso, levávamos na piada na época, eu cada vez adoecia mais com isso.

Tínhamos problemas mas nada muito memorável. Eu tive que terminar por telefone com ele, ele já estava no país que íamos morar, procurando nossa casa.

Eu, uma criança de 17 anos, saindo da escola, passei mais de 7 anos me culpando pelo fim dessa relação, pensando que ele era o amor da minha vida e eu ferrei com tudo.

Aí tudo começou a ir água abaixo.

Cometi um erro terrível, eu menti pra ele.

Ficávamos há tempos, eu imagino uns 6 meses mas não tenho certeza alguma quando o assunto é tempo.

Ele me pedia em namoro quase diariamente, eu não queria namorar na época, saía, ia para festas, era uma adolescente.

Ele tinha 24 anos na época. Quando disse sim pra ele sobre o namoro no MSN nós não nos vimos, ele foi viajar com amigos e eu fui num show, nesse show beijei um cara. Mas tecnicamente já estávamos namorando há menos de 24 horas mas sim, foi errado.

Ele nunca soube, até o ano novo, onde os amigos no meio da festa resolveram contar pra ele. Ele tinha problema com bebidas.

Desde aí as coisas foram difíceis, todos os dias eu tentava provar pra ele que não fiz aquilo – e negar pra mim mesma que fui tão estupida –, na época ele era um cara incrível. Ele me cuidava, era engraçado, a gente era muito parecidos e nos divertíamos muito. Fora a família dele, eu amava aquela família.

Quando ele foi pro outro país, eu passava mais tempo na casa dele com a família dele do que com a minha.

Eu amava muito ele. Ele me amava muito. Deu errado.

Vida que seguiu, passamos anos nos falando de vez em quando, por e-mail, tínhamos problemas de nos vermos, causamos muita dor um ao outro.

PS: eu acabei admitindo que traí ele, embora na época não tivesse sido pensado dessa maneira.

Os problemas de estima foram piorando, a necessidade de ser amada com ele distante e talvez com grande possibilidade de nunca mais ver ele me fez aceitar o primeiro que me prometeu coisas.