Amarração

O que você fez? Tenho para mim que foi amarração.

Amarração das ‘brava’, sabe? Aposto que prometeu alguma coisa em troca de me fazer sonhar com você regularmente. Me diz, o que você foi capaz de negociar para não sair da minha cabeça?

Confesse! Tenho certeza que usou magia negra contra mim, que me faz ficar presa a você e desestabiliza o meu dia.

Não seja covarde, diga que as mensagens que mandou por engano na verdade foram de propósito. Confesse que armou tudo, desde o começo, para que você virasse algo primordial na minha vida, para que quando partisse fosse impossível recolher os cacos deixados para trás. Vamos, conte-me os detalhes do seu plano, como chegou até aqui, as armas que usou para me enlaçar tão rápido.

Eu preciso saber o que você fez e eu preciso sair desse limbo o quanto antes.

Não há outra alternativa, só pode ter algo errado, você deve cultivar um altar na sua casa, com a minha foto, ervas, velas e todas aquelas coisas, que as pessoas dizem por ai que existem. Não é possível que esse sentimento seja voluntário, qualquer ser humano de inteligência mediana já teria saído dessa. Já teria excluído todos os vínculos que a tecnologia moderna proporciona e estaria muito feliz, com outros amores engasgados.

Não me venha com argumentos furados. Sei que tem coisa errada nessa história toda.

Que tipo de praga você rogou para eu pensar em você quando uma bicicleta passasse por mim, quando eu lesse notícias sobre o Trump, para quando eu comprasse algum quadrinho do Batman ou assistisse Mad Man.

Inclusive, parei de assistir “mad man”, sabia? Estou tentando fugir das lembranças que me cercam. Algumas fotos minhas eu também não vejo mais. Sabe aquelas da Brooklyn Bridge? Então, parei de ver, lembro que naquele dia você disse que queria seguir seu caminho comigo. Lembro também que acreditei.

Acho que esse foi seu grande trunfo, né? Se fazer tão convincente.

Talvez não tenha sido nenhuma magia ou, pensando melhor, tenha sido magia sim, que é crível apenas por conta da fraqueza das pessoas de se iludirem tão facilmente.

Like what you read? Give Karina Zambelli a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.