Lua

A quietude da noite é sempre acolhedora. O silêncio traz lembranças e pensamentos indesejáveis e nos faz confessar tudo a pequena lua que ilumina pela fresta da janela. E para ela confidenciamos os nossos medos, anseios, dúvidas e amores, acolhendo cada palavra solta pelo ar, enquanto o travesseiro recolhe cada lágrima que escorre sem um caminho a trilhar.

São as pequenas coisas que dividimos com a lua que nos fazem fortes, são os momentos de silêncio que nos conhecemos melhor, que podemos sentir tudo que há dentro de nós da melhor e mais intensa forma de vida. Nossos sentimentos. Tudo. Intensamente. Não há nada melhor do que isso.

Querida Lua, queria agradecer por todas as vezes que me ouvistes. Por todas as vezes que escutastes minhas lamentações, desejos e sonhos, permitindo que eu pudesse crescer e me conhecer cada vez mais, por minha conta. Obrigada.

Like what you read? Give Karine Monteiro a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.