O amor verdadeiro

Passei batida pela mágoa… fui viver.

“ Amor é fogo que arde sem se ver…” só de começar esse lindo soneto você já percebe que para amar, tem que dar merda antes né? Porque perai : fogo que arde e não se vê ? Como assim tá queimando e eu não tô sentindo nada ? Tá estranho essa parada aí.

Mas é isso mesmo. Se você já amou alguém sabe o que eu tô falando — e eu tô aqui me fechando em relacionamento casal — dói muito amar alguém… por vários motivos.

Quando você ama alguém e a pessoa te ama é mais fácil. Porém não te impede de sofrer porque amar é doar se. Implica em dar o braço a torcer em algumas ocasiões; ficar em silêncio pra evitar brigas; renunciar algumas coisas. Por amor.

Agora… se você é como a maioria das pessoas que já passou por um amor “ impossível” ou um “ amor platônico” pode pensar que é a pior dor do mundo. Como amar alguém que não te ama ? Que não retribui o amor? Que só fica te sacaneando ? Ou que foi embora… ?

Quantas mulheres por achar que não são capazes de ser amadas de verdade de subjugam por um amor meio bosta, um farelo de amor… se submetem a traições ou até mesmo brigas violentas porque tem medo ficarem sozinhas? Você é muito mais do que isso. Outro dia falo melhor sobre você.

Amar muitas vezes é sinônimo de abir mão. De deixar o tempo passar e mostrar que o amor verdadeiro até dói, mas é aquela dorzinha gostosa como uma massagem… é algo em que se tem prazer. “ É um contentamento descontente…” exatamente. Porque por vezes você vai dizer — eu não queria isso mas se ele ( a) escolheu assim pra mim tá bom.

Amar quem um dia te machucou faz parte do processo amadurecimento. Dedicar se ao outro diante das fraquezas dele porque você sabe que um dia você também vai precisar desse amor.

Mas antes de amar alguém, ame a si mesmo. Se conheça, supere seus limites, fique sozinho (a)… aprenda a lidar com você mesmo (a)… você vai descobrir que é muito mais importante do que imaginava. Amor próprio sem egoísmo é tudo.

Até.

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Karla Beatriz’s story.