7 Formas de mudar o mundo sem sair de casa — Histórias que mudam o mundo

Por: Lala Deheinzelin

Sabe por que sou uma futurista otimista? Por que não temo, mas celebro a Transição que vivemos? Por que ela é como uma onda, nos força a sair de jeitos de pensar e fazer que não servem mais. E surfando esta onda chegamos em coisas que podem nos fazer mais felizes. E mudar o mundo.

Sou “comista”, portanto lá vão alguns “Comos” que podem ser boa prancha para você, surfista da Transição.

1. Veja além do provável e perceba o possível e desejável. O que você acha provável que aconteça na sua vida, no Brasil ou no mundo? É igual ao que deseja? Oitenta por cento das vezes, não. Oba! A maioria de nós deseja outra coisa! Então, embora fazer? Ai que alegria saber que provável não é sinônimo de inevitável. Fique feliz vendo além e enxergando os milhares de futuros desejáveis e perfeitamente possíveis, mesmo que improváveis.

2. Escolha onde e como investir seus tesouros. Você tem tesouros como tempo, energia, conhecimento. Quer ver? Se depois de um jogo da Copa do Mundo 60% dos brasileiros dedicassem outras duas horas para compartilhar conhecimentos, teríamos 27.600 anos para investir. Isso equivale a 303.000 anos letivos ou 2,4 Wikipédias. Não é legal saber que há tanto que podemos fazer convergindo nossos tesouros?

3. O que é sentido faz sentido. Reparou como a palavra “se tocar” significa também compreender? Que só há saber quando há sabor? Pois é. Se joga na experiência, no sentir, que a vida vai fazer mais sentido. E, estando presente, quem sabe você perceba que o medo geralmente se refere a algo que está no passado ou no futuro.

4. Compartilhe e ganhe tudo, inclusive confiança. Você deseja uma furadeira ou um furo? Possuir ou usar? Já reparou quanta coisa ociosa existe. Compartilhando espaços, equipamentos e materiais excedentes você não apenas consegue o que precisa como faz bem ao mundo, otimizando recursos. Ah! Compartilhar é a melhor forma de confiar, e sem confiança não há futuro desejável. Muito menos presente possível.

5. Gere abundância a partir do cuidar e desfrutar. Coisas são finitas e se consomem com o uso, e o resultado é a escassez. Mas o que é ligado ao cuidar e ao desfrute é infinito e se multiplica com o uso. Bem estar, relações, cultura, experiências, conhecimentos. Desfrute estas abundâncias acessíveis. E que são também as melhores oportunidades para empreender. Quem sabe no futuro, ao invés de dizer “Você trabalha com quê?” perguntaremos “Você cuida de quê?”

6. O feito é melhor que o perfeito. Deixe pra lá as idealizações, pare de comparar sua vida, corpo e relações com padrões imaginados. Aliás, imaginados por quem? Você ou algo ao seu redor? Escolha o desfrute do presente; o fazer o possível; o enxergar a metade cheia do copo.

7. Expresse sempre, e em detalhes, o seu amor. Várias culturas celebram seus mortos juntando as pessoas para lembrar e declarar por que eles eram amados. Não espere que seus queridos morram. A época agora é de co-memorar, que quer dizer “lembrar junto”. Lembre e declare agora a parentes, amigos e companheiros por que e como eles são amáveis. E por que a cidade, o país e o mundo também são.

Querido surfista, bem-vindo ao mundo dos futuristas. Você é mais um a pensar sempre “Por que não?”. E aí enxergar que tudo isso já existe, em milhares de iniciativas que já são futuros no presente. E presentes para o futuro.


Originally published at medium.com on December 23, 2015.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.