Precisamos parar de difundir a ideia de que o Marketing Tradicional está morto

Quanto mais estudo sobre Marketing, mais triste fico com a desonestidade ou falta de conhecimento desses “gurus” que bradam por aí que “o Marketing Tradicional está morto”(leia esse texto do Felipe Morais após concluir esse aqui). Será que essas pessoas já refletiram de fato sobre essas afirmações, sobre seu peso e sobre o quanto elas podem ser apenas uma meia verdade ou até mesmo uma completa mentira?

Talvez esteja um pouco confuso até aqui, mas vou explicar melhor. Com certeza, você deve ter lido ou escutado por aí que agora não se deve usar mais as ferramentas de Marketing Tradicional, que só o Marketing Digital, só o Marketing de Conteúdo, só o Inbound Marketing ou “só minha técnica infalível vai fazer você ter sucesso”.

A verdade é que as pessoas que difundem essas ideias de modo irresponsável e somente focadas em ganhar fama e dinheiro estão ignorando que foram as bases e princípios do Marketing Tradicional que deram origem aos novos modos de fazer Marketing na era digital e pós-moderna. Sobre isso, deixo outro link bacana para você conferir depois, um texto do Ricardo Oliveira.

Me pergunto se esses “gurus” nunca leram nada sobre Cultura de Convergência ou até mesmo sobre o próprio conceito de Marketing! Henry Jenkins, autor responsável pelo primeiro conceito, fala o seguinte em seu texto principal:

“Bem-vindo à cultura da convergência, onde as velhas e as novas mídias colidem, onde mídia corporativa e mídia alternativa se cruzam, onde o poder do produtor de mídia e o poder do consumidor interagem de maneiras imprevisíveis” (JENKINS, 2008, p.27).

Jenkins afirma que a convergência ocorre dentro dos cérebros de consumidores individuais e em suas interações sociais. O conceito de Marketing apresentado por Philip Kotler, que tanto insistem em “matar”, diz que o Marketing envolve a identificação e a satisfação das necessidades humanas e sociais. Kotler ainda resume de modo bem simples: o Marketing supre necessidades lucrativamente.

Eu vou um pouco mais fundo e me pergunto se essas pessoas do digital nunca leram a máxima de Marshall Mcluhan: o meio é a mensagem. “O capítulo sobre ‘o meio é a mensagem’ pode talvez ser mais bem esclarecido observando-se que toda tecnologia gradualmente cria um ambiente humano totalmente novo. Os ambientes não são envoltório passivos, mas processos ativos.” (MCLUHAN, 1964).

Mcluhan (1964) afirmou ainda que o “conteúdo” de qualquer meio ou veículo é sempre um outro meio ou veículo. O autor exemplificou: o conteúdo da escrita é a fala, assim como a palavra escrita é o conteúdo da imprensa e a palavra impressa é o conteúdo do telégrafo.

Trazendo um pouco para a relação “Marketing Tradicional” e “Marketing Digital”, seguindo a linha de pensamento de Mcluhan, o “Marketing Tradicional” é o conteúdo do “Marketing Digital”.

Resumindo: Marketing é e será cada vez mais sobre pessoas! Marketing, assim como Comunicação, tem uma base teórica incrível e ESSENCIAL para a compreensão da sua aplicação em diversas épocas. O Marketing acompanha a evolução das pessoas e da própria sociedade, mas isso não transforma seu nome nem anula conceitos e práticas anteriores. Adaptação, análise, testes, melhorias…É isso.