A aquisição de um idioma e o Sistema Sensorial

O estudo da aquisição de um idioma apresenta-se como questão fundamental da Linguística, que visa explicar de que modo o ser humano aprende, expressa e interage dentro da sociedade por meio de uma linguagem.

O desenvolvimento dos sentidos é muito importante para a evolução do ser humano, uma vez que, por eles, entramos em contato e conhecemos o mundo exterior, evoluindo nossa aprendizagem.

A aquisição da linguagem acontece por meio dos cinco sentidos: o tato, a audição, a visão, o olfato e o paladar.

O sistema sensorial ajuda na estruturação do cérebro a fim de reconhecer os estímulos exteriores.

Os sentidos

Tato — o primeiro sentido que o recém-nascido aprende a utilizar. Até o terceiro mês de vida, a sensibilidade do bebê se concentra na cabeça, na boca e no tronco. O pequeno responde à textura, temperatura e proximidade, portanto é importante a amamentação, abraços, banhos e massagens.

Audição — o ouvido é o primeiro órgão sensorial a se desenvolver. Com 24 semanas de gestação, o bebê percebe e a distingui os sons exteriores. Por este motivo, é fundamental estimular este sentindo ainda na gestação. As crianças nascem com um enorme potencial musical. Receber estímulos musicais nos primeiros anos de vida, favorece a criatividade, comunicação, sensibilidade e sociabilidade.

Visão — mesmo perfeitamente desenvolvidos ao nascer, os bebês são incapazes de enxergar 100%. O processo visual requer uma longa aprendizagem. O cérebro precisa aprender a interpretar o que os olhos observam, um processo de amadurecimento durante os primeiros três meses de vida.

O olfato e o paladar — mesmo sendo o mais sensível de todos os sentidos, o olfato ocupa um lugar secundário. O bebê percebe os primeiros odores, a partir do 7º mês da gravidez, é capaz de “sentir” o que a mãe ingere e “sentir” também o odor da mãe, o que é classificado como uma infinita fonte de tranquilidade após o nascimento. O olfato está relacionado ao paladar, o que explica sua participação na estimulação do apetite. À medida em que o paladar vai sendo provocado com sabores diversos, as preferências começam a se manifestar.

A aquisição da linguagem é a ocorrência mais considerável na vida de uma criança, decorre geralmente entre um e três anos, desenvolvendo a inteligência.

Etapas

:: Minutos após o parto, o bebê já detecta as pessoas ao seu redor e interage com elas. Trata-se da comunicação pré-verbal. A possibilidade de sinais linguísticos surgirá aos longo do tempo, porém é preparada nesta fase.

:: Aos 3 meses, a criança entende palavras simples e começa a desenvolver a comunicação não-verbal por meio da imitação.

:: Aos 4 meses começam os balbucios. Os bebês reproduzem certos sons de forma constante e repetida.

:: Ao final do primeiro ano esse balbucio é visto como repetição intencional e a criança já tem a possibilidade de pronunciar as primeiras palavras.

:: A primeira palavra manifesta uma intenção de significado conciso e corresponde verdadeiramente ao acesso à linguagem. Não existe palavras privilegiadas. A primeira palavra tem mais sentido para a criança do que para o adulto, referindo-se a uma ação, objeto ou situação. No decorrer do processo de socialização, a criança vai ampliando o seu vocabulário, não só quanto ao número de palavras, mas também complexidade.

A teoria de Piaget acentua a importância da experiência para o desenvolvimento da linguagem. Deste modo, o conhecimento, resulta de uma atividade estruturadora. Esse conhecimento decorre do comportamento e interação. O desenvolvimento infantil é uma questão de saúde física e mental. A aquisição de uma linguagem, assim como o desenvolvimento da capacidade comunicativa merecem a máxima atenção uma vez que são indicadores preciosos do processo evolutivo. O estudo da linguagem é amplo e oferece inúmeras possibilidades a cientistas e pesquisadores e ainda há muito por se descobrir sobre o ser humano e sua complexidade.