Lições que aprendi como Tradutora/Intérprete

Cada dia vivencio uma nova experiência na área de Tradução e Interpretação. Todas essas experiências têm me ensinado grandes lições.
 
 1 . O seu trabalho de tradução não é o seu trabalho
 
 Para se traduzir, tomamos o trabalho de uma outra pessoa emprestado. Nunca é de nossa propriedade. Tudo o que lidamos pertence a outra pessoa. Isto pode parecer um pouco óbvio. Mas há uma série de implicações que precisa ser pensadas. O ato de tradução requer um grau extremo de respeito. Lembro de um professor de linguística da Universidade da Califórnia que explica em uma de suas palestras “O tradutor deve lutar contra qualquer pensamento de fazer melhor do que o original”. E é exatamente isso, traduzir, sem inserir o próprio ego, traduzir com profissionalismo e responsabilidade moral.
 
 2 . O que é ser um bom tradutor
 
 A tradução carrega um alto grau de responsabilidade ética. O tipo de pessoa que faz um bom tradutor é o mesmo tipo de pessoa que faz um bom profissional de qualquer outra área. Traduzir requer intensa concentração por longos períodos de tempo e atenção aos pequenos detalhes.
 
 3 . O conhecimento é mais importante do que você pensa
 
 Sim, um dicionário pode ajudar a definir uma palavra, mas a língua não é apenas um emaranhado de definições. Um bom tradutor além de dominar a gramática da sua língua materna e da língua a ser traduzida, deverá ter, principalmente, conhecimento. Ler, tudo. De tudo! Todo tradutor sabe que o hábito da leitura é primordial para adquirir informações e o ajudará muito em trabalhos futuros.