Mas acabou…

Me pergunto onde ficou toda aquela verdade. Onde, nessa linha tênue da vida ficou preso algo tão bonito, mas que perdeu-se. Eu pensei que jamais iria acabar, mas como num filme bom, a historia acabou. Me pergunto onde foi o erro. Onde que foi o fim, ou quando começou a ser um fim. Será que foi na primeira cena de ciumes? Na discussão sobre quem era mais frio ou naquele dia que você disse que iria ligar e não ligou? É, parece-me que não dá pra dizer ao certo se teve um início esse nosso fim, talvez nós nunca tenhamos começado nad. Talvez tenhamos tentando, disso estou quase certo, mas não, não tentamos da forma correta. Ou pode ter sido apenas uma aventura,dessas de verão ou algum drama desses que pessoa assiste na televisão. Bom, disso não estou certo. Sei apenas que sinto muito, e esse sentir as vezes dói pra caramba. Tem horas que dá vontade de socar meu peito e me limito a penas deitar na cama, fechar os olhos na esperança de o sono vir e esquecer como isso dói. Nem que seja por um tempo.

Sempre acreditei que o amor era fácil, que bastava apenas um eu te amo pra acabar com a guerra na síria ou no Paquistão, mas aprendi que não é bem assim que funciona. Quando você ama sozinho o amor não vale de nada. Não dá pra acabar uma guerra gritando amor, as vezes o mais sensato é atirar também, pra evitar que se morra. E bem, foi mais ou menos isso que aconteceu. Quando eu percebi que ia morrer e essa morte parecia injusta e dolorosa, resolvi matar também. Mas não como se matam por aí, onde se dá um tiro e pronto, mas de uma maneira bem mais cruel e fria. Decidi que pra não morrer de amor tinha que fingir não amar, confesso que doeu muito no início, mas depois você vira um zumbi e a dor parece não mais existir dentro de você. Acabou sim, mas não acabou comigo, acabou com o que eu acreditava. Acabou com o amor.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.