62- Paradigma

-E aí?
-E aí o quê?
-Não vai escrever?
-Escrever o quê?
-Um texto sobre toda essa crise politica que ta acontecendo. Achei que cê ia escrever.
-Por que você achou isso?
-Porquê você sempre tem boas opiniões sobre esses assuntos.
-Desde quando?
-Desde sempre. Sabe, seus textos me fazem pensar.
-Pensar em quê?
-Na vida.
-E eu virei filosofa por acaso?
Risos.
-Não fode. Cê entendeu.
-Mas se você quer entender alguma coisa sobre politica, tem muitos jornais e artigos na internet.
-Mas são pontos de vista de jornalistas.
-E?
-Não quero!
-Escolhe algum colunista da Folha. Deve ter uns quinhentos textos só sobre a Hilary e o David.
-Não vai escrever?
-Acho que não. 
-E política nacional?
-Também não.
-Nem sobre os protestos?
-Nem sobre os protestos.
-Nem sobre o impeachment?
-Cara, nem sei escrever direito impeachment.
-Ah, não fode. Escreve sobre as diferenças das eleições americanas com as brasileiras.
-Porquê?
-Por que as pessoas gostam de ler sobre essas coisas.
-Gostam?
-Eu gosto. 
-Hm.
-Vai falar que você não tem opinião sobre isso? Nós tivemos uma presidente mulher, eles tiveram uma boa candidata mulher, e ela liderou as pesquisas e talz.
-Mas isso todo mundo sabe, e o outro cara já foi eleito.
-Fala dele então. Assunto pra falar dele é o que não falta.
-Como assim?
-Ah, os escândalos, a política, o preconceito com os gays e tudo mais, o fato de tanta gente ter apoiado.
-Sei não, essas coisas me dão um pouco de medo sabe.
-Medo?
-Sim.
-Porquê?
-Por que da ultima vez que tanta gente resolveu seguir os passos de alguém tão “diferente” assim, as coisas não terminaram muito bem.
-O que você quer dizer com isso?
-Que o muro de Berlim ainda está la na Alemanha pra nos lembrar.