1- Amartias

De onde saiu tanta folha?
-Tô tentando escrever uma história.
-Ah, achei que estava tentando desmatar a Amazônia.
-Dramático!
-Pareço dramático eu? Ponderemos mais sobre o assunto nobre amiga do pijama de sapinhos.
-Besta!
-E então, o texto vai ser sobre o quê?
-Um romance que deu errado.
-Ih! Andou falando com o cara de pá?
-Ta legal. Sai fora.
-Não?
-Não!
-Sério?
-Sim.
-Qual filme do Woody Allen você viu então?
-Como você sabe?
-Os filmes dele geralmente te inspiram, e você escreve.
-Foram feitos pra gente se inspirar.
-São superestimados.
-Mentira. 23 indicações da academia e 4 Oscars superestimados?
-Ele teve sorte! Pura sorte, 23 vezes.
-Ridículo.
-Ridículo é ele tocar aquela clarineta.
-Ele sabe prender a gente no enredo.
-Dormi nos dois filmes que eu assisti.
-Porque você tem a idade mental de uma criança de seis anos, e os hormônios de um adolescente de 16. É pra fazer refletir, não pra ver peitos.
-Nem de longe dá pra ver peitos, não com aquelas protagonistas. Mas sobre fazer pensar…
-Ele entende meus anseios. É incrível.
-Ele comeu a própria filha.
-Nunca foi provado.
-Ele casou com ela.
-Essa é a outra filha.
-Mas casou com ela.

-Era filha da esposa dele. Ele não teve culpa de se apaixonar.
-Não estou dizendo isso.
-Está dizendo o quê então?
-As coisas tem limites. 
-E amor? O amor tem limites? E esse limite está abaixo ou acima de quais preceitos?
-Isso é de se discutir.
-Por isso queria escrever algo sobre.
-Mas foi errado. E olha a idade dele.
-E tem idade pra isso?

-Pra pedofilia? Ou pra comer a própria filha?

-Não era filha dele, e era adotada. E tem que ter idade pra amar? Só pessoas acima de 18, só por pessoas do sexo oposto?
-Não estou dizendo isso.
-Acabou de dizer. E você já ficou com meninas bem mais novas.
-Não com nenhuma 23 anos mais nova.

-Mas até que ponto a idade é irrelevante?

-Sei lá, é muita diferença. Não pode.
-Mas você apoiou o Marcelo e a Mallu. Ela tinha 16 e ele 30.
-Mas lá não tinha maldade. E eles se casaram. E até saiu uma banda boa no fim disso tudo.
-O Woody e a Soon Yi também. E sua mãe e seu pai?

-Ah, mas é meu pai.

-E daí?

-Daí que não tem como eu achar estranho.

-Por quê?
-Acho que a gente acha mais normal quando conhece melhor a pessoa. E quando sente afeição por ela. 
-É. Pode ser.
-Sei lá, soa estranho. Tem alguma coisa obscura escondida atrás daqueles óculos de tartaruga que é do mau.
-Ah ta. Já reparou que ele parece demais com o Marcello, professor de inglês?
-Você também? Graças a Deus. Estava começando a achar que era só eu que tinha reparado isso.
Risos.
-Mas voltando ao assunto, qual filme você viu?
-Manhattan.
-E conta sobre o quê?
-Bom, ele interpreta um homem que é abandonado pela esposa que vira lésbica, tem um romance com uma menina de 16 anos e se apaixona pela amante do melhor amigo dele.
-Viu! Esse cara é um pervertido.