Três convites à qualidade de vida

1 — Contemplar o belo no mundo e ver o mundo de uma forma bela.

Museus, praças, shoppings, centros históricos, praias, montanhas, lagos, casas, campos, s maior parte das obras de arte que o mundo nos oferta diariamente além de belas são de entrada gratuita, se sua cidade não tem nada disso talvez seja o caso de mudar de cidade ou de conexão com a WEB. O fato é que ao olharmos para paisagens que consideramos bonitas isso possui efeito ansiolítico, motivador. “Os olhos são a janela da alma”.

2 — Sono reparador

Existem profissionais especializados em melhorar cada área da vida, curiosamente ainda não vi um personal do sono, deve existir, e caso não exista será a próxima profissão do futuro certamente. Pois, tão ou mais importante que alimentação, esportes e banho de sol é um sono reparador. Contudo, muitas vezes se confunde quantidade com qualidade, um sono reparador não possui relação direta com a quantidade de horas dormidas, relaciona-se mais à rotina de sono e a produção de melatonina.

Para tanto valem duas dicas: A) da mesma forma que alguns escolhem o “dia do lixo” para comer o que quiserem, em relação ao sono pode-se escolher o “dia da balada”, ou “noite da maratona” (de séries ou seja lá o que for), ocasião na qual se ESCOLHE ir para a cama mais tarde. B) em relação a produção do hormônio melatonina o segredo é evitar o máximo possível luminosidade, para tanto-se pode-se usar óculos de lentes amarelas, utilizar aplicativos que diminuem incidência de luz no celular ou TV, ficar com o mínimo necessário de luz, de preferência se acostumar a ficar no escuro (banhar no escuro, por exemplo, é estranho no começo mas fica super gostoso com o tempo).

Alguém com bastante sono que tenha propensão a psicose, por exemplo, tem mais chance de desencadear um surto. Não a toa as tropas militares de elite, costumam incluir em seus treinamentos (aliás, recurso bastante questionável), períodos de privação de sono, exatamente para ver se o militar “aguenta pressão”.

3 — ter uma agenda e colocá-la de lado

Ter uma agenda bem organizada é fundamental para se alcançar objetivos e metas, cumprindo assim com as missões que assumimos na vida, e nos deixando mais próximos de nosso propósitos. Contudo, tão importante quanto organizar a agenda é deixá-la de lado de vez em quando.

Gosto de colocar na agenda o “dia do eu” ou quando não é possível a “hora do eu”, momentos nos quais decido na hora o que faço ou deixo de fazer, são momentos de puro deleite, onde gosto de ficar “sem fazer nada”, como também gosto de fazer algo inusitado, o que está fora da rotina, sair da agenda é fundamental para ter uma agenda cheia de histórias.

Ao contrário do que pode parecer, essa “hora do eu” pode favorecer diretamente a produtividade. Pois mais relaxado e motivado rendemos mais. Importante lembrar que quando analisamos nossa história vemos que um dos séculos mais produtivos foi o século XXV antes desse momento, período no qual foram criadas Filosofia, Democracia entre tantas outras conquistas, pois naquela época a “hora do eu” era prática comum, chamava-se “ócio criativo”.