Vivência

Rolando Toro define vivência como “experiência vivida com grande intensidade por um indivíduo no momento presente, que envolve sinestesia, funções vitais e emoções”. A vivência é o mecanismo privilegiado pelo qual se vivencia o “aqui e agora” almejado por ascetas orientais e terapeutas do ocidente. Enquanto as terapias cognitivas (psicoterapias tradicionais) partem do significado para a emoção, a biodança inverte esse percurso indo das vivências ao significado.

Toro classifica a vivência como tendo as seguintes características: original, anterior à consciência, espontânea, subjetiva, de intensidade variável, temporal, dimensão sinestésica (é a via de acesso ao inconsciente), emocionalidade, dimensão ontológica (saber-se vivo), dimensão psicossomática. Esse conjunto de características remete a um conjunto de categorias-valores fundamentais à biodança: natureza, conexão, singularidade.

Natureza. Ou seja, o ser humano não é apenas um animal racional, mas um animal natural que produz cultura. Um ser vivo que pensa, sente e se emociona a partir de um corpo com uma estruturação genética e epigenética (por isso as vivências despertam emoções, sinestesia.

Singularidade. Possui originalidade, anterioridade à consciência — já existiam no útero. Este ser que é singular vive uma existência peculiar (por isso a vivência é subjetiva, de intensidade e temporalidade variável), daí porque em uma mesma sessão de biodança alguém pode ter achado que essa demorou muito enquanto para outro foi rápida, da mesma forma pode ter sido leve para alguns e profunda para outros.

Conexão. Ao experimentar uma vivência o ser dançante sente-se vivo (dimensão ontológica), percebe que para além de qualquer rotina empobrecedora ou de qualquer cotidiano anti-vida pulsa um corpo que pode a qualquer momento se conectar ao fluxo da vida. E em conexão consigo sente-se vivo apto inclusive a se conectar a outras pessoas e ao próprio cosmos. Rolando Toro fala da “comovente experiência de sentir-se vivo”.


Originally published at lifecoaching984.wordpress.com on February 16, 2017.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.