Você sabe o que são as armadilhas vitais? Caso não saiba é possível que tenha caído em uma delas. Aprenda como se defender!

As armadilhas vitais podem te transformar em uma árvore seca, mas lembre-se, sua semente tem em seu DNA o necessário ao crescimento.

Foram os terapeutas Janet Klosko, y Jeffrey E Young que desenvolveram o conceito de “armadilhas vitais” ou “esquemas”. Essas armadilhas são padrões de pensamento, crenças, que adquirimos nos primeiros anos de vida e que podem se repetir por toda a vida, causando dor e sofrimento.

As armadilhas vitais são: abandono, desconfiança e abuso, dependência, vulnerabilidade, privação emocional, exclusão social, imperfeição, fracasso, subjugação, padrões inalcançáveis.

Voçê pode sofrer por ter uma ou mais dessas crenças, em casos extremos alguém pode manter todas essas crenças limitantes, e tornar sua vida extremamente pobre e limitada por ver o mundo a partir desses padrões.

É importante destacar que essas crenças são distorções da realidade. Por exemplo, alguém que tem a crença da vulnerabilidade sofrerá cotidianamente por achar que alguma catástrofe estar prestes a lhe acontecer a qualquer momento, é muito comum essa crença reforçar comportamentos fóbicos, como também síndromes de pânico. A realidade é que algo pode acontecer, mas, a crença faz com que a pessoa creia que irá acontecer, em breve, com ela, e da pior forma possível.

Já a crença da desconfiança e do abuso faz com que alguém desconfie até das pessoas mais próximas, como pais, filhos, companheiros, amigos etc. Alguém que tem essa crença está sempre desperdiçando oportunidades de aproveitar a vida, pois, ao receber qualquer convite ou oferta desconfiará que há segundas intenções por traz disso, que quem a convidou quer de alguma forma enganá-la, prejudicá-la etc.

As causas dessas crenças não precisam ter sido reais. Alguém que sofre com a armadilha do abandono, pode ter se sentido abandonada na infância porque os pais precisaram passar mais tempo no trabalho, e a partir dessa situação ter sentido que seria abandonada para sempre.

O que faz com que a crença se estabeleça não são os fatos que ocorreram, mas a forma como você interpreta esses fatos.

Se você cultiva o hábito do autoconhecimento pode ser interessante tentar compreender porque surgiram essas crenças, nesse caso pode ser útil procurar um psicanalista.

Já no curto e médio prazo, o mais importante não é compreender, e sim identificar essas crenças e descobrir como superá-las. Nesse caso talvez seja útil procurar um psicólogo, psiquiatra ou coach.

Alguns simples experimentos podem ajudar, por exemplo, se você ainda tem a crença da exclusão social pegue o whatsapp AGORA e faça um convite para todos os seus contatos, você se surpreenderá com a quantidade de pessoas que lhe responderão, isso ajudará a combater essa crença limitante.

Você pode começar lendo a respeito, no meu livro “desenvolvimento ontológico” detalho estratégias para cada uma dessas crenças. Não hesite em buscar ajuda.