O que a alma quer

Juliana estava sentada no ônibus a caminho da casa de seu namorado. Cansada (como sempre), achou que ouvindo algumas músicas no seu Ipod minúsculo, a viagem até a Vila Laura seria menos tediosa e ilusoriamente mais rápida.
Duas moças estavam próximas, conversando aquele velho papo de Zeca Lourenço, sobre a fulana de tal da padaria e o fulano de tal do bar da esquina.
- Mas você já teve seu filho, já tem sua casa, sua vida, o que te impede ?
- Ah, eu não sei…Mas estou pensando seriamente nisso.
- Amiga, é hora de fazer o que a alma quer!
Juliana mal esperou o completar de dois segundos, pegou o bloco de notas do seu celular e anotou essa frase “é hora de fazer o que a alma quer”.
O ponto em que Juliana desceria, chegou. Juliana desceu do ônibus e caminhou até seu destino.
Agora a música que tocava, era a da sua alma.

(Coincidências a parte, escrevi isso bem antes de saber da existência de uma moça real, chamada Juliana, que mora na Vila Laura :D)