Entre o céu e o inferno — O olhar sobre o outro e si.

Só há um tipo de blues, o que existe entre um homem e uma mulher apaixonados”.

O filme gira em torno da relação de Rae (Christina Ricci) e Lazarus (Samuel L. Jackson). Dando uma noção de suas histórias que vão se cruzar diante das necessidades criadas anteriormente. Lazarus é um homem já idoso, que já não toca seu bom blues no bar e que foi deixado pela mulher, que preferiu o irmão. Sua mulher achava que ele era velho e que fazia a vida dela ser do mesmo jeito. Enquanto Lazarus tenta lidar com a situação atual de um amor estraçalhado e a traição de seu irmão. Rae sofreu abuso sexual na infância, e constantemente é tomada pela vontade incessante de fazer sexo.

Poderia simplificar dizendo que o filme é apenas uma história em que o homem mais sábio, correto e cristão coloca novos ensinamentos na vida da garota devassa e pecadora, mas não é tão simples. A questão começa nesse sentido, transbordando para uma substituição de um cuidado por parte de Lazarus para com Rae.

Rae aparece espancada, drogada e em crise. É prontamente acorrentada, e depois disso é que começa sua melhora. A corrente inicialmente aparece como uma limitação, quando na verdade é um fixador, no sentido de que “existe um apoio aqui, mesmo que não tão usual”. Com o convívio a ideia de um vínculo começa a surgir. Lazarus coloca todo o esforço na garota como uma substituição pelo que sua ex-esposa foi. Uma mulher que o deixou, uma mulher que o deixou por outro homem. A convivência de ambos ressalta uma maior experienciação de si, principalmente no caso de Rae, que momentaneamente impedida de se entregar ao impulso reflete sobre o mesmo.

O grande clímax é aceitação. O reconhecimento do que se tem, e o que fazer em relação a isso. Logo Rae é liberta, logo Lazarus entende que “ambos são criaturas da noite”. E que podem tentar viver com isso. A vida retorna a Lazarus pelo retorno ao Blues e sua influência fortifica a autonomia de Rae. O filme à primeira vista parece não ter nada de importante, mas ele fala sobre toda falha que podemos obter e, mesmo percebendo, não conseguimos freá-las sozinhos.

-Fish

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.